Conheça 3 ideias para montar um repertório de aberturas

Sejamos realistas: estudar aberturas é uma das coisas mais difíceis no xadrez.

Como escolher um repertório? Devo decorar os lances? Devo estudar todas as sub-variantes?

Também já tive muitas dessas dúvidas (algumas eu ainda tenho!), mas posso passar alguns conselhos para quem estiver quebrando a cabeça com isso.

 

1- Escolha um jogador “modelo” para estudar

Toda variante importante tem um jogador que é um especialista. Analise todas as suas partidas. Você pode até mesmo estudar seu repertório completo. Claro que o modelo precisa ter um repertório compatível com seu estilo, ou pelo menos um tipo de jogo que você admire.

Alguns exemplos: se você joga a Najdorf – veja todas as partidas do Kasparov. Prefere 1.e4 e5? Que tal ver todas as partidas do Aronian?

 

2- Não se preocupe em decorar lances, mas estude partidas-modelo

Não tenha uma preocupação excessiva em memorizar jogadas (ainda que isso seja necessário em algumas poucas linhas de abertura). Em vez disso, estude muitas partidas modelo e entenda as ideias das suas aberturas.

Claro que se você joga a Najdorf, variante do peão envenenado, é imprescindível memorizar algumas jogadas, do contrário você pode perder na abertura. Mas linhas assim são muito raras e na imensa maioria dos casos você deve selecionar um bom número de partidas modelo, estudá-las com profundidade e checar as análises com computador. Com isso você ganhará um profundo entendimento dos temas táticos e posicionais da variante e, por tabela, vai se lembrar dos lances mais importantes.

O que você NÃO deve fazer: pegar um livro de abertura e tentar decorá-lo. Ou, ainda pior, pegar o livro e ficar colocando as análises no Chessbase, para repassar antes de uma partida. Dessa forma você perde seu tempo duas vezes.

 

3- Sempre comece estudando a linha principal

Não se preocupe muito com as sub-variantes no início. Confesso que há muitas variantes do meu repertório que eu nunca estudei seriamente… mas se você entender o espírito do jogo de abertura, certamente saberá o que fazer.

Erros típicos: não jogar a Siciliana com medo do Gambito Morra ou do Ataque Grand Prix…ficar horas analisando a recente tentativa de refutação da Najdorf (ironia) antes de analisar a linha com 6.Bg5.

Então comece estudando a linha crítica da variante. Depois que tiver entendido bem a posição, estude as sub-variantes.

 

Conheça nossa página de materiais gratuitos

 

Utilizando o site para treinar aberturas

Eu sempre achei o estudo de aberturas um tanto maçante e “solitário”. Ao contrário do treinamento de cálculo, no qual temos feedback imediato do livro, ou do treinamento de jogo posicional, que geralmente envolve ver partidas completas, com explicações detalhadas nas decisões estratégicas mais importantes, o treinamento de aberturas envolve pensamento crítico, tentar entender detalhes que não estão às vezes bem explicados, procurar uma jogada nova ou analisar de forma independente uma posição crítica.

Por isso as vídeo-aulas são extremamente benéficas para esse tipo de estudo. O trabalho analítico fica menos “solitário”.

Aqui na Academia já temos material para praticamente todas as principais aberturas do xadrez. Aproveite então para se cadastrar em nosso plano de Acesso Total, que inclui todo o material do site (mais de 400 horas de vídeos).

 


 

Gostou? Então compartilhe este artigo nas redes sociais!

 

No comments

Deixe seu comentário