Grandes Enxadristas: Conheça a História de Vasiukov

Grandes Enxadristas: Conheça a História de Vasiukov

Conheça a História de Evgeni Vasiukov

O meio campista Alex foi um jogador de futebol diferenciado. Ídolo no Coritiba, Palmeiras, Cruzeiro e Fenerbahçe (Turquia), também foi Bicampeão da Copa América pela seleção brasileira. No entanto, Alex nunca disputou uma Copa do Mundo. Cotado para a Copa de 2002, perdeu espaço no banco de reservas para Kaká, Denílson, Juninho Paulista e Ricardinho, todos em grande fase. Naquele tempo, era impossível assumir a titularidade no setor ofensivo, pois esse espaço era dominado pelos fantásticos Ronaldinho Gaúcho, Rivaldo e Ronaldo.

 

C:UsersUserDesktopvasiukov2.JPG

 

Essa história do futebol brasileiro foi relatada para dimensionar o tamanho do enxadrista Evgeni Vasiukov, falecido no dia 10 de maio de 2018, aos 85 anos. Segundo o Chess Metrics, em 1962, Vasiukov era o 11º melhor enxadrista do mundo. Naturalmente, assim como Alex, seria reconhecido em qualquer canto do mundo, porém, foi ofuscado pelo brilho dos próprios compatriotas. Vasiukov teve a sorte e o azar de competir dentro do próprio país com gente do calibre de Tigran Petrosian, Boris Spassky, Vitor Korchnoi, Paul Keres, Mikhail Botvinnik, Mikhail Tal e Vassily Smyslov.

 

Carreira

Evgeni Andreyevich Vasiukov nasceu no dia 05 de março de 1933, em Moscou. Oriundo de uma família simples, foi evacuado para Tula durante a Segunda Guerra Mundial. Seu pai morreu durante a Batalha de Kursk, em 1943. Vasiukov começou a jogar xadrez aos 15 anos. Tornou-se Mestre Internacional em 1958 e Grande Mestre em 1961, após vencer o Internacional de Moscou empatado com Smyslov.

Ao todo, Vasiukov venceu mais de 50 torneios, foi Bicampeão Mundial Estudantil (1955 e 1956), Campeão Mundial Sênior em 1995 e venceu o fortíssimo Torneio de Moscou em cinco ocasiões (1958, 1960, 1962, 1972 e 1978). Disputou a Final do Campeonato Soviético treze vezes, compartilhando a terceira colocação em duas ocasiões.

 

C:UsersUserDesktoptal x vasiukov.jpg

Tal x Vasiukov

 

 

Com um estilo agressivo, jogou exclusivamente 1.e4. Por realizar partidas de ataque, frequentemente, era comparado com Mikhail Tal. Exímio teórico, com ideias originais de abertura, ajudou muitos enxadristas na luta pelo título mundial: Vitor Korchnoi, Mark Taimanov, David Bronstein, Efim Geller e Anatoly Karpov. Também foi treinador de diversas equipes soviéticas em Olimpíadas.

Em 2002, aos 68 anos, Vasiukov conseguiu uma vitória esmagadora contra o então número 14 do mundo, Loek van Wely, da Holanda, no Aeroflot Open. A partida foi eleita a mais bonita do ano pelo Chess Informant.

 

Os encontros com Fischer

Evgeni Vasiukov era um grande jogador de blitz, conquistando oito vezes o Campeonato de Blitz de Moscou, o mais competitivo do mundo. Em 1958, Bobby Fischer (com apenas 15 anos) apareceu em Moscou pela primeira vez e foi direto ao Clube de Xadrez Central. Lá, Fischer venceu vários Grandes Mestres em partidas de blitz.

 

C:UsersUserDesktopfischer-petrosian.jpg

Fischer x Petrosian – Vasiukov a esquerda de Fischer, com a mão na boca

 

A continuação da história ficará por conta do próprio Vasiukov, em entrevista para o ChessPro em 2012:“De repente, recebi uma ligação do Clube de Xadrez. Disseram-me: ‘este prodígio americano está esmagando nossos Grandes Mestres. Você deve vir imediatamente para colocá-lo em seu lugar e salvar a honra da capital’. Encontrei-me com o Tigran Petrosian e fomos jogar com Fischer. Inicialmente, eu era inferior, mas depois tomei a iniciativa e consegui uma vantagem notável na pontuação. Petrosian também terminou com uma pontuação positiva.  Fomos os únicos a conseguir competir com ele”, lembra Vasiukov.

Treze anos mais tarde, na Cerimônia de Encerramento do match Fischer x Taimanov (Vancouver – 1971), ambos se reencontraram e Fischer estava ansioso para discutir com Vasiukov os blitz de 1958. De acordo com Taimanov, Fischer se lembrava de muitos jogos, enquanto Vasiukov lembrava apenas de algumas aberturas.

De fato, Fischer tinha um notório respeito por Vasiukov. No livro com suas 60 melhores partidas (1969), Bobby relatou estar impressionado com a forma como Vasiukov venceu o futuro campeão mundial, Tigran Petrosian, no Campeonato de Moscou, em 1956.

Em 1996, Fischer e Vasiukov se encontraram pela última vez, em Budapeste, durante as comemorações do 85º aniversário de Andor Lilienthal.  Na ocasião, Fischer convidou Vasiukov para jantar em um restaurante chinês, onde ambos relembraram muitas coisas, desde o primeiro encontro em 1958. “É uma pena que este notável jogador de xadrez tenha deixado tanto o xadrez quanto a vida cedo demais”, afirmou Vasiukov após a morte de Fischer, em 2008.

 

Quais foram os enxadristas mais subvalorizados da história? Deixe sua opinião nos comentários.

 

Gostou do artigo? Então compartilhe nas redes sociais.

 

Referências Bibliográficas: Chess.com

Comments ( 5 )

  • Antonio

    A partida entre Vasiukov e van Wely mereceria uma análise, não ?

    • Rafael Leitão

      Entrou na partida do dia de hoje 🙂

  • Felipe

    Muito bom!

  • Wagner

    Boris Gulko, Paul Keres e David Brownstein, Geller acredito que foram alguns subvalorizados.

  • Paulo S

    Engraçado que notei o nome de Vasiukov nessa semana onde resolvi dois exercícios táticos de jogos dele…

Post a Reply