4 Princípios Básicos de Abertura no Xadrez

Em um jogo de xadrez, os movimentos iniciais ditam muito do ritmo que a partida tomará. Por isso, é importante observar alguns princípios básicos de abertura de jogo sem arriscar desnecessariamente logo no começo e sem perder terreno para o adversário. Saiba o que fazer e o que evitar nos primeiros movimentos de uma partida de xadrez.

Está sem tempo para ler o artigo? Escute a versão em áudio!

 

1. O domínio do centro

As quatro casas mais disputadas de uma partida são ‘d4’, ‘d5’, ‘e4’, ‘e5’. Estas representam o exato centro do tabuleiro de xadrez, que regula muitas condições de ataque e de defesa. Ou seja, é recomendável que se tenha controle do que ocorre nas casas centrais, ou dominando-as,  ou ocupando-as. Bons movimentos iniciais, portanto, seriam os avanços dos peões que estão em ‘e’ e em ‘d’. Geralmente, enxadristas iniciantes tendem a mover as peças periféricas primeiro para liberar as torres. Mover os peões das colunas ‘a’ e ‘h’ logo na abertura da partida implica em um distanciamento significativo do meio do tabuleiro e reduz as possibilidades de desenvolvimento inicial de peças mais recomendadas que a torre.

 

2. O desenvolvimento progressivo

O enxadrista deve ter em mente que o desenvolvimento de suas peças no jogo de xadrez deve ser progressivo. Isso não significa que deve ser lento, mas que tem etapas importantes para o equilíbrio dos princípios básicos de abertura. Os bispos e os cavalos são peças menores que as torres e a dama, por isso evite levar as peças maiores direto para o jogo. Desenvolver cavalos e bispos primeiro garante melhor domínio do centro e evita que você perca tempo ao ter peças de maior valor atacadas. Claro que quanto mais experiente for o enxadrista, mais ele saberá o momento certo de quebrar essa regra.

 

Quer aprender mais sobre aberturas no xadrez? Torne-se um assinante!

3. A segurança real

O rei, sendo o alvo principal do tabuleiro, deve ser protegido o mais cedo possível. A jogada mais comum para a segurança do rei é o roque, que é um movimento combinado entre o rei e a torre quando não há peças entre os dois e eles não haviam sido movidos ainda, o que coloca o rei mais próximo à extremidade do tabuleiro. Tanto o roque grande quanto o pequeno podem ser feitos, mas o roque pequeno é muito mais comum. É importante pensar que ao cumprir as três primeiras etapas, todo o seu jogo fica mais fácil. Depois que o rei está seguro, desenvolver as peças fica mais cômodo, principalmente se você proteger o seu rei antes do adversário. Isso deixa seus ataques mais seguros e suas defesas mais estruturadas, visando o centro e as peças inimigas importantes.

 

4. A inatividade das peças

Às vezes, optando pelo desenvolvimento constante de algumas peças, esquecemos ou ignoramos o desenvolvimento de outras. Recomenda-se sempre tirar peças da inatividade quando possível, gerando dinamismo à partida. Evite, portanto, movimentar a mesma peça mais de uma vez ou capturar peões distantes enquanto não tiver suas peças desenvolvidas e seu rei em segurança.

 

E então, você tem alguma outra ideia de abertura a ser acrescentada nessa lista? Deixe um comentário!

Já baixou o nosso e-book “Aprendendo Noções Básicas de Xadrez”? Baixe gratuitamente aqui.

 

Gostou do artigo? Compartilhe nas redes sociais!

14 Respostas a “4 Princípios Básicos de Abertura no Xadrez”

  • Vica20101

    Parabéns, Leitão. Bem simples e objetivo esse artigo, além de ser essencial a observância destes quatro princípios em qualquer partida de xadrez.

  • Abelhas do Sabugi - PB

    obrigado mestre!!

  • Ozymandias Realista

    Um desafio (bem petulante, mas não poderia deixar de tentar):http://ozymandiasrealista.blogspot.com.br/2015/07/ozymandias-realista-contra-o-mundo-20.html

  • Rafael Leitão

    Obrigado, apareça sempre que puder.

  • Rafael Leitão

    Apareça sempre!

  • Rafael Leitão

    Apareça sempre!

    • Maxwell Borges

      Excelente artigo!

  • Gabriel

    obrigado pelas dicas!!!

  • Artur

    Eu acrescentaria nestes princípios, o cuidado que todo jogador deve ter para desenvolver os seus peões formando diagonais de peão, de modo que um possa defender o outro. Embora essa não seja uma regra absoluta, os peões conectados tendem a ser mais fortes, dificultando a passagem de peças adversárias.

    • Demetrio

      Para iniciantes, como eu por exemplo, fazendo isto (peões defendendo uns aos outros) traz uma certa segurança defensiva, mas, dependendo desta configuração, acaba por nos tirar o movimento de certas peças.

      • Luiz

        naquele zigzag os mais prejudicados acabam sendo os bispos, se isso acontecer é oportunidade de posicionar/infiltrar cavalos o mais centralizados possível, e também é indicado abrir algum peão para infiltrar as torres naquela coluna, na medida que o jogo avança e as peças vão caindo começa a se sobressair os bispos que manter o par deles passa a ser mais vantajoso que manter cavalos, e assim vc desenvolve possibilidades de criar combinações que deem o arremate final, infiltrando peças, fazendo umas protegerem as outras, ameaçando checks, ataques duplos, pins etc, ou até mesmo avançar com os proprios peões para a promoção e amassar o adversário lhe tirando espaço para manobrar, mas cuidado, peões são os unicos que não andam pra trás, foi, não volta, esteja certo disto ao cruzar o meio de campo com eles

  • Walter Sperandio

    Tem gente que diz que o melhor ataque é a melhor defesa. No caso se seu rei estiver na casa branca e sua diagonal for branca, vocÊ tem a segurança que nenhum bispo ou rainha te incomodará por ali, e abre a possibilidade de ataque com outras peças, ou até mesmo a desenvoltura de liberar o bispo branco, no caso para outra jogada ou até mesmo como defesa do peão. Assim, com poucas peças você cria uma linha defensiva boa.
    *Sou iniciante ainda, percebi isso nos jogos. Posso estar errado utilizando essa linha de raciocínio, mas me parece bem sólida. Tem funcionado quando consigo fazer.

  • Gilvan Soares

    Parabéns Mestre Rafael,
    Sou professor na EPAT em Brasília e estamos começando um trabalho e gosto muito de comentar sobre você nas aulas, pois como maranhense que sou, gosto muito do seu trabalho metodológico.
    Quando você passear em Brasília, sinta-se a vontade para nos visitar.
    Escola Parque Anísio Teixeira de Ceilândia.
    Abraço

  • Luiz

    sempre recomendo aos iniciantes fazer o fiancheto na frente do rei

Deixe seu comentário