Copa do Mundo: Terceira Fase

A Bruxa Está Solta!

 

Tirem as crianças da sala. Ninguém está a salvo. Nem mesmo o aclamado diretor Quentin Tarantino imaginaria um enredo com tantas reviravoltas, tanto sangue e, principalmente, tão imprevisível quanto esta Copa do Mundo de Xadrez!  Não sabemos nem mesmo por onde começar: Deuses sangraram e favoritos caíram; esquadrão da moda foram criados; heróis morreram e outros (re)nasceram.

Tivemos, literalmente, de tudo nesta terceira fase da Copa do Mundo. Inclusive xadrez. Aliás, muito xadrez!

“Bermudagate”

Antes mesmo do início da rodada – em realidade, pouquíssimos minutos antes dos relógios serem acionados – aconteceu um dos fatos mais inusitados dos últimos tempos do xadrez mundial (e que acabou ganhou repercussão até mesmo em noticiários não especializados de todo o mundo): o ucraniano, mas naturalizado canadense, Anton Kovalyov, que havia vencido na fase anterior ninguém menos que o ex-campeão mundial Anand, perdeu por W.O. sua partida contra Maxim Rodshtein. O motivo (e início da polêmica): o traje de Kovalyov, mais especificamente a sua bermuda (que, aliás, era mesma com a qual ele havia jogado a primeira e a segunda fase), não estaria de acordo com o código de vestimentas do torneio.

 

Kovalyov, à esquerda, contra o ex-campeão mundial Anand: bermuda da sorte?

 

Os fatos: 10 minutos antes da rodada, Kovalyov foi abordado no salão de jogos pelo árbitro chefe Tomasz Delega. Delega pediu ao jogador canadense que vestisse calças compridas, em vez da bermuda, pois era o que estava descrito no código de roupas do torneio. Obviamente, por haver usado a mesma bermuda nas fases anteriores, Kovalyov foi surpreendido pela repreenda. E questionou o árbitro. Inclusive, dizendo que já havia usado trajes semelhantes na edição passada da Copa do Mundo.

Pois bem. Passado este primeiro tumulto, ao chegar a sua mesa, foi a vez de Kovalyov protestar ao árbitro – questionando o fato de estar de pretas nesta primeira partida. Consultado o emparceiramento pelo computador, Delega confirmou as cores para Kovalyov e esse já estava retornando ao seu tabuleiro quando…

 

Zurab Azmaiparashvili e Kovalyov

 

… Foi interceptado pelo organizador chefe da competição, o GM Zurab Azmaiparashvili. Assim como Delega, embora de uma forma um pouco mais “enfática”, Azmaiparashvili mais uma vez advertiu Kovalyov sobre o vestuário do canadense e pediu para que o jogador fosse trocar sua roupa. Kovalyov questionou Zurab sobre o motivo de tal implicância e a suposta resposta (infeliz) de Azmaiparashvili teria sido “Porque você está parecendo um cigano!”.

 

 

Kovalyov deixou o local de jogos nitidamente irritado. E passados 15 minutos após o início da rodada, o jogador canadense não retornou. W.O.

E duas horas mais tarde ele estava na recepção do hotel fazendo seu check-in. Era o fim da Copa do Mundo para Anton Kovalyov.

Ao final do dia, Kovalyov publicou em sua conta pessoal do Facebook um longo post, explicando os motivos da sua decisão. Basicamente ele reclama da forma com a qual foi abordado, diz que Azmaiparashvili estava extremamente irritado e que não havia levado calças porque havia engordado e elas estavam apertadas. Resolveu protestar abandonando o torneio e afirma, ao final do post, que não irá processar ninguém e que não quer o dinheiro do prêmio. Abaixo o post em sua íntegra (em inglês).

I wanted to wait a little till I calm down, but I’m tired of seeing lies everywhere. So here’s what happened:

The issue were not the shorts but how I was treated. I came to the game and was approached by the arbiter asking me to change (first time). I told him that I don’t have pants with me, and then I noticed that I was playing black instead of white, which came as a surprise for me and asked him to check that. He and the other arbiters checked and confirmed to me that I’m playing with black, we talked a little and everything was fine. Then came Zurab, he was very agressive, yelling at me and using the racial slur “gypsy” to insult me, apart from mentioning several times that I will be punished by FIDE. I told him that I had asked before at the previous world cup if what I was wearing was OK and I was told by somebody from the organization that yes. Zurab, in a prepotent way, said he doesn’t care, he’s the organizer now. At this point I was really angry but tried not to do anything stupid, and asked him why he was so rude to me, and he said because I’m a gypsy.

So imagine this, the round is about to start, I’m being bullied by the organizer of the tournament, being assured that I will be punished by FIDE, yelled at and racially insulted. What would you do in my situation? I think many people would have punched this person in the face or at least insulted him. I decided to leave.

Worth pointing out, I didn’t take any pants with me because I gained some weight and they were to tight. If the organization of the tournament would have warned me sooner I would have taken a cab to the mall and bought pants, without any problems whatsoever, but instead I was treated like garbage. I was too stressed out by the way I was treated and the threats of being punished by FIDE no matter what I do, so I choose to leave before I do anything stupid. Another point worth pointing out, Zurab never asked me to go and change, the conversation consisted of threats, insults, and agressive behavior from Zurab. He was clearly provoking me. I will not appeal anything. I am disgusted by this type of people. I don’t want the money. I’m coming back home.”

 

Em declaração para o site Chess.com, o árbitro Tomasz Delega comentou sobre o ocorrido: “Eu o vi hoje e decidi falar com ele sobre isso. Ele disse que não tinha outras calças consigo e que ele tinha vestido o mesmo na Copa do Mundo anterior, mas depois ele começou a protestar sobre a cor errada.”. Delega acrescentou: “Não era a minha intenção de proibir o jogador de jogar hoje”.

Já Azmaiparashvili, também para o Chess.com, limitou-se a dizer: “Eu irei falar com a equipe de árbitros esta noite. Eu quero saber por que  isso não foi notado antes.“.

Tanto Delega, quanto Azmaiparashvili, concederam uma entrevista para o ChessBase Índia onde, de forma geral, reafirmaram essas declarações.

 

1-0

 

Bom, mas o que diz o citado código de vestimentas? Em princípio, nada muito claro:

3. 13. 4. É obrigatório aos jogadores terem conhecimento dos requerimentos dos Regulamentos da FIDE C.01 (Artigo 8.1) em relação à sua aparência digna em todos as alturas durante a Copa do Mundo.

Isto refere-se a um documento que faz parte do Manual da FIDE, entitulado “01. Recommendations for Organization of Top-level Tournaments” (Recomendações para a Organização de Torneios De Alto Nível) e tem o sub-título “Regulations for Organisation of Top-Level Tournament (“Regulamentos para a Organização de Torneios de Alto Nível”), um documento que foi aprovado em 1983 pela Assembleia Geral da FIDE, e alterado em 1991 e 1992. O parágrafo específico diz:

8.1 A Comissão sobre Publicações de Xadrez, Informação e Estatísticas (CHIPS) sublinha a necessidade de todos os jogadores de xadrez terem mais cuidado com a sua aparência pessoal. A imagem do jogador de xadrez deve ser digna, e vestir-se apropriadamente mostrará não só respeito pelo jogo, mas também pelos patrocinadores, potenciais ou não, para que lhes valha a pena de gastar o seu dinheiro.

 

Quem vai dizer que uma calça não pode ser mais chocante que uma bermuda?

 

De toda maneira, afora cuidados específicos que as Federações de cada país vêm tomando – como proibir chinelos; regatas; jeans velhos e/ou rasgados (se a moda pega aqui no Brasil…) – calções ou bermudas, como podemos ver, não são citados no parágrafo 8.1

A polêmica ainda está dividindo a opinião dos enxadristas – profissionais ou não. Alguns defendem o regulamento de uma vestimenta mais “condizente” com o ambiente – ressaltando justamente que uma roupa mais formal colaboraria para reafirmar uma imagem mais profissional, respeitável e séria do xadrez. Outros defendem a liberdade: a roupa mais adequada para uma disputa é aquela que permite que o jogador fique mais à vontade.

E você? O que acha? A polêmica está lançada…

 

Por via das dúvidas o russo Artemiev foi (quase) de smoking…

 

 

Na passarela. É o Xadrez Fashion Week

 

Em tempo: uma possível resposta para toda essa polêmica veio do nosso MI Renato Quintiliano, logo após o final do primeiro dia da terceira fase – e do fatídico incidente:  “Podia rolar um BERMUDAÇO amanhã em forma de protesto, com geral jogando de bermuda”.

 

Opinião do GM Rafael Leitão: Infelizmente faltou bom senso para ambas as partes nesse lamentável episódio. Em torneios de elite, como a Copa do Mundo, é sim necessária uma vestimenta adequada: os jogadores são exemplos e todos os olhos estão voltados para essa competição. O que irá pensar um pai de uma criança que jogue xadrez ao ver um enxadrista, em uma das maiores competições do ano, jogando com trajes desleixados? A imagem de um enxadrista é muito importante nesse tipo de evento.

Entretanto, fica muito claro que as reclamações do Kovalyov são pertinentes. A organização cometeu um festival de erros. Ele jamais poderia ter sido abordado antes de uma partida, especialmente depois de ter jogado duas rodadas assim. O “certo” seria abordá-lo no primeiro dia, de preferência após a partida, e avisar que ele teria que usar trajes mais adequados no dia seguinte.

Kovalyov parece ser uma boa pessoa e teria entendido tudo sem problemas. De todas as maneiras, é muito estranho viajar milhares de quilômetros de distância sem colocar sequer uma calça na mala, especialmente em um torneio dessa importância. A minha impressão – a julgar por entrevistas dele e também pelo que ele falou em outras Copas do Mundo para amigos em comum – é que ele não estava se importando muito com o evento. Também faltou bom senso para ele.

 

Crepúsculo dos Deuses

“Gott ist tot”

(“Deus está morto” – Friedich Nietzsche, filósofo alemão)

 

Mas nem todos os resultados foram decididos fora do tabuleiro – embora não devamos destacar algum tipo de raro alinhamento cósmico dos astros ou qualquer tipo de confusão sobrenatural. O xadrez é mesmo uma caixinha de surpresas – e nós aqui da Redação d´Academia seguimos errando miseravelmente os nossos palpites. Deus joga xadrez com o universo.

 

“Como assim?”

 

Pois é. Deus pode até jogar xadrez com o universo, mas com certeza ele não é norueguês e muito menos Magnus Carlsen. O atual campeão mundial, considerados por muitos especialistas forte candidato a ser o enxadrista mais forte de todos os tempos, perdeu, de brancas, para o chinês Bu Xiangzhi a primeira partida do match e não conseguiu passar do empate na segunda.

 

🙁

 

Com esta surpreendente, e precoce, eliminação de Carlsen, não teremos o previsto “bug” da Matrix que aconteceria caso o Campeão Mundial vencesse esta Copa – pois, assim, ele estaria classificado e, por direito, poderia disputar o Torneio de Candidatos do próximo ciclo mundial. Ou seja: entraria na briga para roubar a coroa de Campeão Mundial… Dele mesmo? Enfim: Deus sabe o que faz. E a realidade não irá desmoronar e a natureza seguirá seu rumo natural.

 

Alguém consegue segurar esses caras?

 

E falando em rumo natural, nós d´Academia já alertamos diversas vezes: a China vai dominar o xadrez mundial. Já foram campeões olímpicos e , além da desclassificação do campeão mundial por Bu Xiangzhi, mais dois chineses seguem na luta: Ding Liren e Wang Hao. Liren venceu, “no tempo normal”, o ucraniano Kuzubov, e Wang Hao despachou o indiano Santos Gujrathi Vidit. Tanto Kuzubov quanto Vidit estão em ótima fase – e ascensão. Mas quem disse que isso importa para os chineses (nem campeão mundial importou…). Entretanto, Deus REALMENTE joga xadrez com o universo: e Liren Ding e Wang Hao irão se enfrentar nas oitavas de final.

Embora nem tudo sejam flores no caminho (ou no fim do caminho) dos nossos amigos orientais: Li Chao acabou perdendo para o intrépido e exótico (em vários sentidos) Richard Rapport.

Mas voltemos aos Deuses Caídos. Nakamura, Kramnik, Caruana e Nepomniachtchi também deram adeus à Copa do Mundo.

Nakamura foi despachado ainda no tempo normal pelo insano e destemido russo Vladimir Fedoseev. Imaginem uma criatura que joga para frente. É Fedoseev. Após empatar a segunda partida contra Nakamura, na segunda, de brancas, o russo deu uma belo “mata-leão” no norte-americano – e foram tantos golpes que a partida parecia mais MMA (ouvimos boatos que, numa entrevista pós partida, Fedossev teria dito, aproximadamente, que não era nenhuma surpresa ganhar do Nakamura, pois sabia que estava jogando um xadrez fantástico este ano… Além de jogar para frente o rapaz é humilde).

 

“É… não tenho como discordar agora…”

 

No clássico mundial, Kramnik foi vencido pela personalidade mais unânime do xadrez: Ivanchuk (quem não adora o Ivanchuk?)! No clássico da experiência, Ivanchuk levou a melhor em grande estilo – vitória no tempo normal e pausa para foto com os fãs. Ivanchuk é, praticamente, igual aqueles vídeos de filhotes que pululam pela internet: como não amar?!

 

“Droga, acho que até eu estou torcendo pra você…aproveita e me dá um autógrafo aqui”

 

Já nos desempates ficaram Caruana e Nepomniachtchi. Caruana foi derrotado pelo experiente russo Evgeniy Najer – que vem mostrando um xadrez extremamente interessante nesta Copa. Já Nepomniachtchi foi vítima do herói local: Baadur Jobava

 

Agora imagina essa camisa…com aquela calça do Aronian?

 

E, por fim, se o já citado Kramnik e Ivanchuk foi o encontro da experiência, Dubov e Artemiev fizeram o confronto da juventunde. E deu Dubov.

 

Os Sobreviventes

 

Svidler, Vachier-Lagrave, Grischuk, Giri, Aronian e So são os Tops que conseguiram sobreviver a caça aos (falsos?) deuses que foi esta terceira fase. Embora não sem alguma emoção na maioria dos casos.

De maneira mais tranquila (ou seja, “no tempo normal”) apenas Svidler, que passou por Onischuk, e So – que venceu “Paco” Vallejo.

Com alguma emoção tivemos Vachier-Lagrave e Grischuk – que passaram por Lenderman e Navara, respectivamente.

Com muita emoção Giri – que acabou com o bom torneio do indiano Sethuraman, S.P.

Com excesso de emoção e paradas cardíacas a cada segundo Aronian – num match fantástico contra o russo Matlakov. A troca de golpes começou logo nas partidas clássicas. Após perder a primeira, Matlakov jogou a melhor partida da Copa do Mundo até agora.

Vitória de Aronian e… vitória de Matlakov.

Vitória de Aronian e… vitória de Matlakov;

Vitória de Aronian e…. vitória de Aronian!

 

Sim! É isso mesmo que você está pensando: camiseta também pode ser um atentado ao código de vestimenta!

 

Oitavas de Final – Previsões

 

Daniil Dubov  x Levon Aronian

Aronian. Melhor jogador do ano. Em figurino e no xadrez.

 

Vassily Ivanchuk x Anish Giri

Mais uma vez: como não torcer para Ivanchuk?

 

Richard Rapport x Evgeniy Najer

Por um xadrez mais exótico. Inclusive no penteado.

 

Maxim Rodshtein x Vladimir Fedoseev

Que o humilde russo continue jogando até a pia da cozinha na cabeça dos adversários.

 

Wesley So x Baadur Jobava

Tbilisi vai ficar pequena

 

Peter Svidler x Xiangzhi Bu

Olha ele aí, mais uma vez, de mansinho, chegando…

 

Maxime Vachier-Lagrave x Alexander Grischuk

Depois de Aronian, o melhor do ano. No xadrez, com certeza não nas roupas.

 

Hao Wang x Liren Ding

O futuro começa agora

 

Façam suas apostas e suas torcidas!

 

 

FONTES

Site Oficial

Chess.com

Chess Base

 

Links relacionados:

Copa do Mundo de Xadrez 2017: Primeira Fase

Copa do Mundo de Xadrez 2017: Segunda Fase

 

Escrito por Equipe Academia de Xadrez Rafael Leitão 12-09-2017

 

Gostou? Compartilhe esse conteúdo nas redes sociais!

 

 

12 Respostas a “Copa do Mundo: Terceira Fase”

  • Henri

    Pela forma de se classificarem por região e outras regras, cada participante, por ser copa do mundo, vir com o uniforme de seu país. Então, tudo está errado. E torço para Ivanchuk pela sua versatilidade em aberturas.

  • Helder

    Fantástico ler o que vocês escrevem, muito bom humor e inteligência até quem não é um profundo nem raso conhecedor do xadrez como eu fica entretido lendo todas as publicações. Sério todos os dias abro o site esperando as colunas. Comparo vcs a assistir a NFL na ESPN, vc pode até não entender bem o jogo mais esse pessoal torna a coisa agradável e divertida Parabéns!!!

    • Rafael Leitão

      Muito obrigado pelos elogios! Confesso que também sou fã das transmissões da ESPN, especialmente do Rômulo Mendonça.

  • VSRS

    Excelente texto! Excelente cobertura da Copa do Mundo!

    • Rafael Leitão

      Obrigado! :)

  • Marcos

    Fiquei abismado ao ver quanta hipocrisia. Se Kovalyov foi infeliz ao utilizar aquela bermuda e foi mal tratado pelo organizador chefe, muito provavelmente por não ser um jogador tão conhecido, por que ele também não fez isso com Aronian e o proibiu de jogar sua partida como na foto tirada acima ?. Por que essa desigualdade ? Será em razão do fato de Aronian ser um dos dez melhores jogadores do mundo ?. Se isso não tiver nada a ver, por que não exigiu do Aronian a mudança de sua vestimenta, sob pena de ser punido com multa ?..Entendo que o "código" deve ser igual para todos..

  • Nicole Pi Chillida

    Sempre com ótimos textos!

  • Darlon

    Está escrevendo muito bem . Seus artigos são muito bons , deixam evidente que a leitura do GM Leitão transcende em muito a esfera dos livros de xadrez . Parabéns!

    • Rafael Leitão

      Muito obrigado pelos elogios. Gostaria de ter esse talento para a escrita, mas na verdade temos que parabenizar o redator do site.

  • Bruno

    Errei meu palpite de que Carlsen seria campeão. Teremos agora um novo campeão, acho que isso é positivo. Uma pena que os brasileiros tenham sido eliminados precocemente.

  • Frederico Simões Soares

    Bom texto Rafael ! ESPERO QUE SEU SITE CONTINUE SENDO UM SUCESSO E ACESSADO NAO SO PELOS AMANTES DO ESPORTE COMO TAMBÉM AQUELES QUE SE DELEITAM NUMA BOA LEITURA. OS ARTIGOS SAO EXCELENTES Abraço

  • Luiz

    Em restaurantes finos eles dispõe de uma jaqueta caso vc esteja sem, o garçom já vem com ela na mão, em 3 segundos está resolvida a questão.
    O organizador é o responsável por fazer todos seus convidados se sentirem em casa, essa atitude é uma aberração.
    Pelas regras não há nenhuma proibição expressa, portanto, o que não está proibido é permitido, pode-se no maximo pedir, recomendar, oferecer, dentro de uma interpretação, explicar motivos em off mas nunca constranger a minutos do jogo.
    Acredito que num futuro, com patrocinadores na roupa, essa questão necessitará regras detalhadas

Deixe seu comentário