Campeonatos Mundiais Até 12 Anos: 55 Brasileiros Estiveram na Disputa

 

Jamais subestime uma criança. A assertiva também funciona como um aviso se você costuma enfrentar “os pequenos” nos campeonatos e cogitar que isso é uma tarefa fácil. Não mais, não mesmo, nos dias atuais. Na última semana, 428 crianças (ou adolescentes?) *Conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente até 12 anos incompletos é criança e com 12 anos completos, é adolescente – então, corrigindo, crianças e adolescentes, participaram do Campeonato Mundial de Xadrez para Cadetes (World Cadets Chess Championship), realizado em Poços de Caldas-MG, de 22 a 31 de agosto. Quarenta e cinco países foram representados na competição que ocorreu em 11 rodadas. Em 2011, o Brasil já havia sediado o mundial da Juventude, em Caldas Novas – GO. O campeão geral foi o país dos Estados Unidos que conquistou três ouros, três pratas e uma medalha de bronze nas seis categorias em disputa.

 Os EUA deixaram as malas no Brasil para poder levar tantos troféus para casa

Resultados: EUA Domina o Mundial

Na categoria sub-08 masculino, o campeão e vice foram dos EUA: Aren Emrikian venceu com nove pontos e ganhou 146,8 pontos de rating FIDE (valeu a pena o mundial, hein!) seguido de Abhimanyu Mishra com 8,5 pontos. O terceiro colocado foi Battulga Tenuunbold, da Mongólia, também com 8,5 pontos, perdendo nos critérios de desempate. Na categoria feminina, a campeã mundial sub 08 foi a WCM Essa Alserkal Rouda dos Emirados Árabes, com 9,5 pontos; a vice-campeã foi a WCM Afruza Khamdamova do Uzbequistão, com 9 pontos; e a terceira colocada foi a WCM Yining Chen, da China, com 8 pontos.

 

Foram 428 participantes de 45 países

 

Na categoria até 10 anos, o campeão geral foi Liran Zhou dos EUA, com 9,5 pontos (+ 114,4 pontos de rating FIDE). Novamente dobradinha estadunidense, com o vice-campeão Arthur Zihan Zu, com 8,5 pontos. O terceiro colocado foi o CM Islombek Sindarov, do Uzbequistão, com 8 pontos. No feminino, a China dominou com a campeã WCM Yaqing Wei, com 9 pontos. A vice-campeã foi a WCM Zsoka Gaal, da Hungria com 8,5 pontos. A terceira colocada foi Ellen Wang, dos Estados Unidos (dominaram mesmo!), com 7,5 pontos.

 

 

A alegria das campeãs!

 

As disputas da categoria sub 12 contaram com a vitória de Vincent Tsay, dos Estados Unidos (mais uma vez!) com 8,5 pontos + 149,2 pontos de rating FIDE. O vice-campeão foi do Uzbequistão, CM Javokhir Sindarov, com 8,5 pontos seguido do MF Volodar Murzin, da Rússia com 8,5 pontos. No feminino, a campeã foi a WFM Deshmukh Divya da Índia, com 9,5 pontos, seguida da WFM Nastassja Matus, dos Estados Unidos com 8,5 pontos. A terceira colocada foi a WCM Amina Kairbekova, do Cazaquistão, com 8,5 pontos.

 

Resultados da Delegação Brasileira

Ao todo, 55 brasileiros participaram da competição. Na categoria até oito anos jogaram 10 jogadores do Brasil. O melhor foi Marcelo Emanuel Schafranski, com 5,5 pontos. No feminino, participaram sete brasileiras e a melhor delas foi Gabriela Akemi Fujita, com cinco pontos.

Integrantes da equipe brasileira

 

No sub 10, participaram 13 crianças no masculino com o melhor desempenho de Eduardo Akira Shimamura Silva, com 5,5 pontos. Participaram seis jogadoras no feminino, com a melhor performance de Gabriela Goes da Cunha, com 5,5 pontos.

Isadora Feller, catarinense de Blumenau, disputou o mundial pela-primeira vez e somou 2,5 pontos na categoria até 10 anos

 

Já na categoria sub 12 destaque para o melhor brasileiro no evento, o catarinense de Fraiburgo, Eduardo Antunes Peroza, com seis pontos. Ao todo, foram 10 representantes brasileiros no masculino. A melhor brasileira nesta categoria foi Helena Van Kampen, com 5,5 pontos. Nove jogadoras representaram o Brasil no mundial até 12 anos.

 

Futuro promissor?

Começar cedo nos treinos de xadrez parece ser uma estratégia promissora principalmente para os jovens enxadristas dos Estados Unidos, que venceram o evento. Eles tem bons motivos para acreditar que estão próximos de conquistar o título de Grande Mestre! Dois jogadores dos EUA estão entre os 10 mais jovens GMs da história: Awonder Liang, com 14 anos, um mês e 20 dias e Samuel Sevian, ainda mais novo, com 13 anos, 10 meses e 27 dias.

No Brasil, temos o exemplo do GM Rafael Leitão, único brasileiro a ter títulos de campeão mundial: em 1991, campeão mundial de Xadrez sub-12, em Varsóvia, na Polónia; E em 1996, quando conquistou o título na categoria sub-18, “Infanto-juvenil”, em Menorca, na Espanha. Aos 18 anos, também, tornou-se o mais jovem brasileiro a alcançar o título de Grande Mestre Internacional!

Rafael Leitão venceu os mundiais de categoria em 1991 e 1996

 

Esses exemplos são a inspiração dessas crianças / adolescentes para persistirem no esporte e adquirirem experiência, confiança e títulos! Destaque no mundial também para os pais e professores que incentivaram, acompanharam e foram o suporte emocional dos pequenos e bravos enxadristas!

A “saga mundial” segue neste mês, com a disputa do Campeonato Mundial para as categorias sub-14, sub-16 e sub-18 anos! Será de 16 a 26 de setembro em Montevidéu, no Uruguai. Novamente, com vários representantes brasileiros. Estamos firmes na torcida!

 

Que Conclusões Podemos Tirar do Torneio?

Os resultados obtidos pela delegação norte-americana são impressionantes, mas não são obra do acaso. Há anos os Estados Unidos desenvolvem diversos projetos de xadrez escolar. Além disso, seus representantes recebem ajuda de treinadores experientes, todos fortes enxadristas, que são contratados pela Federação. E o apoio dos EUA não se resume às categorias menores: vale lembrar que Saint Louis é atualmente a “Meca” do xadrez internacional, com diversos eventos (o último deles teve até mesmo a presença de Garry Kasparov). A prática do xadrez também é fomentada nas Universidades, com bolsas escolares sendo oferecidas até mesmo para enxadristas estrangeiros. Essa troca de experiências acaba fortalecendo os enxadristas locais.

Já o resultado do Brasil ficou aquém do desejado. Nossos projetos de xadrez escolar estão em seus primeiros passos e podem dar frutos no futuro. É importante que nossos governantes apoiem essa ideia e reconheçam a importância do xadrez para o desenvolvimento da nossa juventude. E que esses governantes ofereçam o necessário para que esses talentos apareçam e despontem – muitos acabam desistindo no caminho por não conseguirem apoio financeiro para as viagens, para a compra de material de estudo ou para a contratação de um treinador.

Também é necessário mais incentivo por parte da Confederação Brasileira para nossos atletas, com condições adequadas de treinamento durante todo o ano, organização de fortes torneios e suporte para a delegação com treinadores especializados. E também é necessário fortalecer o xadrez de profissional para que nossos jovens enxadristas tenham alguém para se espelhar. Só assim será possível ter resultados expressivos em torneios de categoria.

 

Preparem-se para mais-um mundial, dessa vez com os maiores de 14 anos

Os Prodígios Que Hoje Estão na Elite

Os melhores jogadores do mundo também começaram a se destacar nos torneios de categorias ainda bem jovens. Carlsen, por exemplo, disputou o campeonato nacional quando tinha apenas nove anos, aos 13 anos já era MI e antes dos 14, Grande Mestre. Hikaru Nakamura também é um prodígio que com pouco mais de 15 anos e tornou-se o americano mais novo a ganhar o título de Grande Mestre. Por volta dos 17 anos venceu o Campeonato dos Estados Unidos, em 2004. Wesley So, aos nove anos, começou a competir em torneios de categoria. Venceu o campeonato nacional filipino, em 2003, na categoria sub-10. Disputou campeonatos mundiais, alcançando a 19ª colocação em 2003, o 13º lugar na categoria sub-12 em 2004 e um quarto lugar também no mundial até 12 anos em 2005.

Fabiano Caruana também começou cedo. Disputou o primeiro torneio de Xadrez aos cinco anos, no Polgar Chess Center em Queens, Nova York.  Aos 15 anos venceu o campeonato italiano, tornando-se o mais jovem a conquistar o feito.

E Sergey Karjakin, o mais jovem a tornar-se Grande Mestre, com 12 anos e sete meses, também aprendeu a jogar xadrez com cinco anos e se tornou MI aos 11 anos (!!) Em 2001, venceu o campeonato mundial da sua categoria. Em 2002, com então 12 anos, conquistou as normas de GM e mantem o recorde até hoje como o mais jovem do mundo a conquistar essa titulação.

Carlsen, Nakamura, Wesley So, Karjakin e Caruana na mesma-foto. Eles também começaram cedo e despontaram nos campeonatos nacionais e mundias de categoria

 

Fotos: Claudia Aquino

Fontes: Chess Results / Wikipedia

 

Escrito por Academia de Xadrez Rafael Leitão em 11.09.2017

 

Gostou deste artigo? Então compartilhe nas redes sociais!

 

No comments

Deixe seu comentário