Sinquefield Cup 2017 – 5 Primeiras Rodadas

Sinquefield Cup 2017 – 5 Primeiras Rodadas

Sinquefield Cup 2017

 

A Sinquefield Cup 2017 começou no último dia 02 de agosto na cidade de Saint Louis, nos Estados Unidos, e vai até o próximo dia 11. Trata-se de um dos mais importantes torneios do ano e reúne 10 dos melhores enxadristas do mundo, com incrível média de rating: 2787,87! Destaque para a presença do atual campeão mundial, Magnus Carlsen, da Noruega.

 

A Sinquefield Cup faz parte do Grand Chess Tour, uma espécie de circuito com várias etapas que tenta elevar o patamar dos torneios de elite com melhor premiação, estrutura e com um calendário previamente definido. No dia 14 de agosto, por exemplo, inicia-se mais um torneio do Grand Chess Tour, o Saint Louis rapid & blitz, com a participação ilustre do ex-campeão mundial, Garry Kasparov.

 

Voltando a falar da Sinquefield Cup, além do Carlsen, os demais participantes são: Viswanathan Anand (Índia), Levon Aronian (Armênia), Maxime Vachier Lagrave (França), Wesley So, Fabiano Caruana e Hikaru Nakamura, os três dos Estados Unidos e o trio da Rússia com Sergey Karjakin, Peter Svidler e Ian Nepomniachtchi.

 

O sistema de disputa é no formato todos contra todos em turno único. Sobre o ritmo de jogo, cada jogador recebe 1hora e 40 minutos para os 40 primeiros lances mais 1 hora para o restante da partida. Além disso, os enxadristas recebem mais 30 segundos por lance desde a primeira jogada. Em outras palavras, uma única partida pode passar de 6 horas de duração.

 

Classificação Após 5 Rodadas

 

Até o fechamento do texto, cinco das nove rodadas haviam sido disputadas com muito equilíbrio. Das 25 partidas jogadas, 15 terminaram em empate, com seis vitórias das brancas e quatro das pretas. O líder até então é o francês Maxime Vachier Lagrave, com 3,5 pontos em 5 rodadas, seguido por Carlsen e Anand, ambos com 3. Caruana, Karjakin e Aronian estão logo atrás com 50% de aproveitamento. Nakamura, Svidler e Nepomniachtchi são os lanternas com 2 pontos em 5 possíveis.

 

As Partidas

 

Falando das partidas em si, a liderança de Maxime Vachier Lagrave é justíssima. Na primeira rodada, o francês venceu Wesley So no xadrez posicional, ganhou o par de bispos, abriu a posição e correu para o abraço. Já na quarta rodada, contra o campeão mundial, Lagrave venceu Carlsen do mesmo modo como o norueguês se impõe frente aos seus adversários: posições equilibradas, pouco conhecidas e que requer muita técnica no jogo posicional.  Foi uma autêntica batalha, com a vantagem mudando de lado a lado. Mas Capablanca estaria orgulhoso do jogo do francês.

 

Por falar no campeão mundial, apesar da derrota para o líder, Carlsen não desmoronou, fiel ao seu estilo, venceu Karjakin (veja a partida clicando aqui)  e Wesley So no seu melhor “jeito Corinthians” de jogar, pouca posse de bola, mas de repente, em um ou dois toques, gol e 1×0.

 

 

Já Levon Aronian é, sem dúvidas, o que produz as partidas mais divertidas para o público. Na primeira rodada, com Ian Nepomniachtchi, sua super preparação de aberturas o fez ir pra cima e vencer uma partida cheia de truques táticos. Vale a pena parar e pensar para tentar entender os motivos por trás de cada lance.

 

Por outro lado, Aronian estava algo pior com Caruana na segunda rodada, até cometer a maior pendurada do torneio até então. 33. Re2?? e o cavalo cravado foi atacado pelo peão e a partida desandou. Quem disse que os tops também não cometem erros primários?

 

Jogam as brancas e perdem: 33.Re2?? (clique aqui para ver a partida completa)

 

 

Ainda assim, o prêmio de beleza para a partida mais bonita do torneio vai para Viswanathan Anand. Na quinta rodada, o ex-campeão mundial usou toda sua criatividade e poder de cálculo para sacrificar a dama e vencer Fabiano Caruana. Uma atuação de gala do indiano, que até então vem fazendo um torneio sólido.

 

Jogam as brancas e ganham. (Clique aqui para ver a partida)

 

Por fim, ainda faltam quatro rodadas e tudo está em aberto. Como curiosidade, chamou a atenção da redação da Academia Rafael Leitão o fato do lance 1.d4 ter sido jogado apenas duas vezes nas 5 primeiras rodadas. Estaria o Gambito de Dama passando por uma crise existencial?

 

Crédito imagens: Lennart Ootes, disponível em chessbase.com

 

Escrito por Academia Rafael Leitão em 07.08.2017

 

Gostou deste artigo? Compartilhe nas redes sociais!

Comment ( 1 )

  • Eduardo Willian

    Do alto da minha capivarice, sempre desgostei de jogar d4.
    As partidas parecem engasgadas demais hahaha
    Mas nada contra quem joga, cada um com suas preferências 🙂

Post a Reply