A Dramática História da Olimpíada de Xadrez de 1939

A Dramática História da Olimpíada de Xadrez de 1939

A Dramática História da Olimpíada de Xadrez de 1939

Em 1939, Buenos Aires sediou a 8ª edição da Olimpíada de Xadrez, a primeira realizada fora da Europa. O evento contou com a participação de 27 países, a maior edição até então. O torneio foi disputado em duas fases, no primeiro momento os times foram divididos em quatro grupos – três grupos com sete e um grupo com seis equipes, no qual os quatro primeiros se classificaram para a fase final, com 16 países.

 

Baixas importantes

Para a surpresa de todos, os tetra campeões olímpicos (Estados Unidos) não jogaram em Bueno Aires. Nomes de peso como: Samuel Reshevsky, Reuben Fine e Frank Marshall se recusaram a ir pelas baixas remunerações ofertadas. A Hungria e a Iugoslávia também foram ausências muito sentidas. A dificuldade financeira para enviar os enxadristas até a América do Sul foi o principal motivo das desistências.

 

Problemas com a Tchecoslováquia

Como naquele mesmo ano Hitler invadiu o país e não havia mais um Estado independente, a Tchecoslováquia precisou de autorização para jogar a Olimpíada como uma equipe separada. No entanto, ela levava o nome dado pelos nazistas de “Protetorado da Boêmia-Morávia”. Contudo, após longas e cansativas discussões, o comitê organizador se recusou a exibir a bandeira oficial do Protetorado e os enxadristas disputaram a competição.

C:UsersUserDesktopcn6119_buenosaires.jpg

Equipe do Protetorado da Boêmia-Morávia era formada por: Karel Skalicka, Jan Foltys, Jirí Pelikán, Frantisek Zita e Karel Opočenský

 

Equipe brasileira

Essa também foi a primeira Olímpiada oficial com a participação de uma equipe brasileira. O esquadrão verde e amarelo foi  composto por: Octávio Trompowsky, Ademar da Silva Rocha, Walter Cruz, João Souza Mendes e Oswaldo Cruz Filho.

C:UsersUserDesktoptrompowsky4.png

 

Na primeira fase o Brasil terminou na quarta colocação do grupo 1: Polônia, Protetorado da Boêmia-Moravia e Inglaterra também se classificaram. Paraguai, Peru e Canadá foram eliminados. Já na fase final, o Brasil terminou na 14ª colocação com duas vitórias, dois empates e dez derrotas.

Vale lembrar que em 1936 foi realizada uma Olimpíada não oficial na Alemanha, e o time do Brasil também marcou presença (16º colocado entre 21 países).

 

Início da II Guerra Mundial

O clima hostil já era visível na Europa e esse ambiente não tinha como ser negligenciado na Olimpíada. Quando a fase final do torneio iria começar, em 1º de setembro, a Alemanha nazista invadiu a Polônia, iniciando a II Guerra Mundial. Curiosamente – sem a presença dos Estados Unidos -, Alemanha e Polônia também eram os favoritos ao título olímpico. Por jogar em casa e não ser afetada pela guerra, a Argentina também era candidata ao título.

Com o início da guerra, a maioria dos chefes de delegações queria o encerramento dos jogos. No entanto, os organizadores foram muito persistentes e, após uma assembleia com os capitães, o torneio continuou. Nesse cenário caótico, a equipe da Inglaterra foi a única a desistir da competição.

 

Clima tenso aumenta e acordos são criados

Para evitar maiores problemas, os matchs: Alemanha x Polônia e França x Alemanha, foram combinados com o placar de 2×2. As autoridades alemãs pressionaram e conseguiram que os matches do Protetorado da Boêmia-Moravia – agora parte do Império Nazista – também terminassem em empate contra Polônia e França.

Por fim, a equipe da Palestina se negou a disputar o match com os alemães, que não aceitaram o empate. A situação só foi solucionada quando a equipe da Argentina aceitou empatar com os palestinos.

Fora das questões morais e psicológicas envolvidas, os resultados de seis matches foram combinados, além do fato de uma equipe não ter disputado a fase final. No match Cuba x Alemanha, por exemplo, o ex-campeão mundial, José Raúl Capablanca, também se negou a enfrentar os alemães. Capablanca também não apareceu para jogar contra os franceses no duelo tão esperado contra o campeão mundial, Alexander Alekhine. Ou seja, o torneio não ficou alheio aos acontecimentos e o conflito impactou diretamente o resultado.

 

Quadro de medalhas

C:UsersUserDesktopcn4143.czerniak.jpg

Palestina x Cuba: Moshe Czerniak x  José Raúl Capablanca

Apesar dos acordos e de todos problemas, o torneio teve grandes disputas e muita emoção. A Alemanha levou o título com 36 pontos, apenas meio ponto na frente da Polônia, com 35.5. Destaque também para a surpreendente atuação da Estônia. Liderada por Paul Keres, a equipe fez 33.5 e conquistou o bronze. Nas premiações individuais, José Raul Capablanca levou o ouro no tabuleiro 1.

C:UsersUserDesktopalemania-300x202.jpg

Equipe da Alemanha conquistou o título

 

Classificação da Fase Final

 

1-Alemanha 36 pontos
2-Polônia 35.5
3-Estônia 33.5
4-Suécia 33
5-Argentina 32.5
6- Protetorado da Boêmia-Moravia (Tchecoslováquia) 32
7- Letônia 31.5
8- Holanda 30.5
9- Palestina 26
10- França 24.5
11- Cuba 22.5
12- Lituânia 22
13- Chile 22
14- Brasil 21
15- Dinamarca 17.5
16- Inglaterra Não disputou a fase final

 

O medo do retorno

Naturalmente, muitos enxadristas tiveram medo de voltar para a Europa. Deste modo, o governo da Argentina ofereceu privilégios para aqueles com a disposição de ficar no país e contribuir para o desenvolvimento do xadrez local.

Todos os enxadristas da equipe alemã permaneceram na Argentina, alguns deles jamais voltaram. A equipe da Alemanha era formada por: Erich Eliskases, Paul Michel, Ludwig Engels, Albert Becker e Heinrich Reinhardt. Também ficaram os poloneses Miguel Najdorf e Paulin Frydman, Gideon Stahlberg, da Suécia, além de muitos outros grandes jogadores.

Miguel Najdorf, por exemplo, jogou simultaneamente às cegas contra 40 jogadores em 1943. Ele mesmo bateu o recorde com 45 jogadores em 1947. Seu objetivo era fazer essas notícias chegarem à Europa, para que sua família pudesse vir à Argentina encontrá-lo. Infelizmente, isso nunca aconteceu.

C:UsersUserDesktopMiguel_Najdorf_1973.jpg

Miguel Najdorf  (1910-1997)

 

Consequências

A próxima Olimpíada de Xadrez só aconteceu em 1950, no pós-guerra. Com tantos enxadristas fortes na Argentina, o país conseguiu cinco medalhas olímpicas nas décadas de 1950 e 1960. Já a Polônia nunca mais subiu no pódio e os países comunistas passaram a dominar o xadrez a partir de então.

 

E para você, a Olimpíada de 1939 deveria ter sido interrompida? Deixe sua opinião nos comentários.

 

Referências bibliográficas: Base das Olimpíadas de Xadrez

 

Gostou do artigo, então compartilhe nas redes sociais.

 

No Comments

Post a Reply