Grandes Enxadristas: A História de Harry Pillsbury

Grandes Enxadristas: A História de Harry Pillsbury

Grandes Enxadristas: A História de Harry Pillsbury

C:UsersUserDesktoppillsbury.jpg

 

Quando os melhores enxadristas do mundo se encontraram em Hastings, na Inglaterra, em 1895, quatro jogadores formavam uma espécie de quadrado mágico, a elite da elite. Tratava-se do ex-campeão mundial, Wilhelm Steinitz, do então atual campeão, Emanuel Lasker, e dos dois principais aspirantes ao título, Siegbert Tarrasch e Mikhail Chigorin.

 

Supresa em Hastings e o surgimento de um aspirante ao título mundial

No entanto, ao final de 21 rodadas, o jovem americano Harry Pillsbury fez 16,5 pontos e venceu o torneio, logo à frente das quatro grandes estrelas. Chigorin somou 16 pontos, Lasker 15,5, Tarrasch 14 e Steinitz 13 pontos, num total de 22 jogadores. Na opinião de Garry Kasparov: “este foi o torneio mais importante do século XIX”. Até então, Pillsbury era um enxadrista com algum destaque nacional, porém, desconhecido internacionalmente. Agora, após esta façanha, o mundo do xadrez foi surpreendido com uma nova potência.

C:UsersUserDesktopContestants_at_the_Hastings_1895_International_Chess_Tournament.jpg

Torneio de Hastings 1895. Em pé: Albin, Schlechter, Janowski, Marco, Blackburne, Maróczy, Schiffers, Gusberg, Burn, Tinsley. Sentados: Vergani, Steinitz, Chigorin, Lasker, Pillsbury, TarraschMiesesTeichmann.

 

O início de uma lenda

Harry Pillsbury nasceu em 1872, na cidade de Somerville – Massachusetts, nos Estados Unidos. Aprendeu xadrez aos 16 anos, tarde para os padrões atuais, e apenas seis anos mais tarde, venceu em Hastings. Sua memória era simplesmente genial. Certo dia, um professor lhe entregou uma lista com 29 palavras, nada fáceis, para memorizar. Pillsbury olhou as palavras durante alguns minutos e as repetiu na ordem dada e também na ordem inversa. O enxadrista ainda conseguia se lembrar de tudo no dia seguinte.

 

O rei das exibições às cegas

Quando se fala deste espetacular enxadrista, não há como não mencionar suas exibições às cegas pelo mundo. No total, Pillsbury jogou mais de mil partidas nessas condições. Destaque para o recorde da época de uma simultânea às cegas. Em Moscou, Harry venceu 17 jogos, perdeu um e empatou quatro. Alexander Alekhine, com apenas nove anos idade, assistiu essa exibição e ficou impressionado. Da mesma forma, em uma exibição em Cuba, José Raúl Capablanca, com apenas 11 anos, também apreciou o show de Pillsbury.

 

O início dos problemas: São Petersburgo-1895/1896

Depois de Hastings, o mundo voltou a ter dúvidas sobre quem era o melhor enxadrista da atualidade. Por isso, no fim de 1895 e 1896 os melhores da época se enfrentariam num match torneio, onde o vencedor seria o natural desafiante de Emanuel Lasker, caso ele não vencesse.

Do top cinco do mundo, Tarrasch desistiu da competição por compromissos profissionais. Então, o torneio teve apenas quatro jogadores: Lasker, Steinitz,Chigorin e Pillsbury. Os enxadristas se jogariam no sistema todos contra todos, porém, em seis ocasiões, num total de 18 rodadas.

Após a metade do torneio, Pillsbury liderava com 6,5 pontos, seguido por Lasker, 5,5, Steinitz 4,5 e Chigorin 1,5. Nesse momento, chegou o ano novo e os jogadores tiveram cinco dias de descanso. Por fim, no dia 04 de janeiro de 1896, o relógio voltou a ser acionado com o fantástico duelo entre o líder e o atual campeão mundial.

Em um duelo fantástico, mesmo com as peças pretas, Lasker superou Pillsbury no que considera como: “a melhor partida de minha carreira”. Depois desse duelo, Pillsbury nunca mais voltou a ser o mesmo. Na sequência do torneio, o enxadrista acumulou mais cinco derrotas e terminou na terceira posição. Lasker 11,5, Steinitz 9,5, Pillsbury 8 e Chigorin 7.

Mesmo assim, vale lembrar que pouco tempo depois o herói deste artigo destruiu o campeão mundial em uma partida extraordinária.

C:UsersUserDesktopharry-nelson-pillsbury-9.jpg

Match torneio de São Petersburgo: Lasker, Chigorin, Steinitz e Pillsbury.

 

A razão do baixo rendimento

Infelizmente, a genialidade cobrou seu preço e o enxadrista se queixava de dores de cabeça contínuas, insônia e neuroses. Por isso, em várias ocasiões as partidas foram jogadas em dias diferentes da programação inicial. Existem registros de que na noite anterior ao duelo com Lasker, Pillsbury recebeu o um diagnóstico de uma grave doença e isso o traumatizou para o duelo.

Nessas condições, enquanto Harry Pillsbury lutava para melhorar sua saúde, Lasker só avançava no desenvolvimento do seu jogo. Ainda assim, em 1904, Pillsbury encontrou a força necessária para vencer Lasker mais uma vez, em Cambridge Springs, nos Estados Unidos.

Contudo, em 1906, sem completar 34 anos, a luta pela vida tornou-se muito dura para Pillsbury e o gênio meteórico do xadrez faleceu. Uma lástima imposta pela vida, que não permitiu ao americano contribuir ainda mais com o desenvolvimento enxadrístico. Em condições naturais, a realização do match Lasker x Pillsbury seria inevitável. O placar geral entre os dois terminou com cinco vitórias para cada e quatro empates.

 

Você acha que Pillsbury poderia ter sido campeão mundial? Deixe sua opinião nos comentários.

 

 


 

Referência Bibliográfica: Meus Grandes Predecessores, Garry Kasparov, Volume I.

 

Gostou do artigo? Então compartilhe nas redes sociais.

Comments ( 3 )

  • Renato

    O artigo é otimo, porém, qual foi o problema de saúde que acabou com ele?

  • Carlos

    Sifilis.

  • Jeferson Albuquerque

    Poderia ter sido campeão mundial mas assim como o grande Akiba Rubinstein não teve boa saúde para manter-se apto a conquistar tal feito é uma pena pois o reinado de Lasker (27 anos como campeão mundial) poderia ser abreviado drasticamente por esse gênio, depois dele só Capablanca muito tempo depois foi uma ameaça real mas Lasker nessa ocasião já estava longe de sua melhor forma e no calor insuportável de Havana foi finalmente destronado.

Post a Reply