Xadrez: um Manifesto à Arte

Em 1912, surge o Manifesto das Sete Artes, por Ricciotto Canudo, um crítico de cinema italiano que o publicou em 1923, visando a defesa da arte cinematográfica. Essa listagem tem artes interessantes como a música em primeiro lugar seguida da Dança, Pintura, Escultura, Teatro e Literatura, tendo então como a “Sétima Arte”, o cinema.
A modernidade cria novos conceitos e outras tantas artes a se encaixarem nessa listagem, como Fotografia, Televisão, Video Game, Arte Digital, dentre outras. Este é ponto de dissonância disso tudo.
Há uma eterna discussão a se entender o que realmente é arte e o que mereceria o honroso direito de fazer parte deste grupo.
O que significa arte? O que uma determinada tarefa necessita fazer pra conquistar a nomenclatura? A construção da Quéops não classificaria a engenharia como arte? Ou um arriscado transplante uterino não classificaria a medicina?
Em quesito conceitual, espera-se dessas atividades, que através de percepções, ideias e emoções, consigam estimular a beleza não vista, a tristeza mal sentida ou o riso escondido. Então talvez já saibamos o que é arte! Sendo assim, o que é o xadrez? Poderíamos citar centenas de frases e menções que são feitas ao jogo. Esporte, jogo, ciência, arte… O que há realmente escondido por trás destas simples casas quadriculadas? Por que alguns dizem ser mais perigoso que o boxe?
xadrez e teatro
Quando apresentado ao leigo, é um jogo sem muitas alternativas. Na simplicidade das movimentações das peças, descobre-se que uma “come” a outra e este é o propósito findado. Procura-se distanciar as peças das casas protegidas pelos peões adversários e preocupa-se com a estranha movimentação do cavalo. Caso volte à gaveta, esse tabuleiro e peças não passarão de um jogo de sorte.
Mas há aquele que o retira da gaveta pela segunda vez. Que insiste em questioná-lo. Esse talvez já descubra uma pequena beleza nas diferenças de forças entre as peças e assim, começa a interiorizar o conceito estratégico do jogo. Há aí uma primeira identificação com as derrotas da vida. Com as impulsividades mal terminadas, com os anseios precipitados. É o primeiro contato com o pensamento ilógico e assim, o estranhamento com o jogo.
Quando tentamos incentivar crianças e principalmente seus pais à iniciação ao xadrez, dissertamos sobre as inúmeras melhoras lógicas que ele oferece. Todos os documentários que assistimos sobre este tema falam sobre a função cerebral que ele estimula, mas não é isso que faz o leigo a abrir a gaveta pela terceira vez, nem pela décima.
Não é isso que faz com que você, enxadrista, esteja lendo este artigo.
xadrez
Há algo enigmático no xadrez, quase que imperceptível. Há uma ligação mútua, uma curiosidade interminável. Quanto mais o jogador se debruça a conhecê-lo, mas se torna ele e então, passa fazer parte dos movimentos e cálculos. Sente o desespero real de uma posição complicada e mais intenso ainda ao se sentir perdido. As peças deixam de ser só peças e nas sessenta e quatro casas, vivencia-se todo tipo de sensações, medos, angústias, desejos e emoções. Tudo é uma única extensão de seu próprio ego, sem desculpas pelo passe errado do companheiro de jogo, da mudança de vento ou do equipamento inferior. É só você e o que o seu xadrez pode oferecer. As movimentações e valores diferentes das peças se tornam seus mais comuns devaneios e arquétipos moldados pela consequência da sobrevivência.
Esta entrega é arriscada. Quantos já não choraram pelas derrotas? Quantas derrotas não nos assombram por anos? Quantas partidas vencidas não mencionamos por todo o tempo? Quando o xadrez se torna você, atingimos o princípio artístico. Em sua singularidade, uma arte que permite que o artista seja ela própria.
O músico se emociona em seu ofício, transmitindo emoções infindáveis; nos emocionamos com o texto bem escrito e bem narrado pela entrega do ator. O artista em geral, se permite ser meio e não fim.
No xadrez não. O maior prazer é dado ao próprio artista. A grande beleza está na partida em que o próprio enxadrista se lança. Há arte nas brilhantes partidas alheias, mas nenhuma delas causa a intensidade emocional e psicológica como na partida que se joga.
O mundo não pode se dizer conhecedor deste brilhantismo, então o chamam de jogo. Torna-se uma arte restrita e incomparável. Não há notas certas, não há fórmula exata, não há espaço para a subjetividade individual, pois com tudo isso há sempre um resultado final.
Se o leitor puder ser capaz de tentar suportar a intensidade desta entrega, basta acionar o relógio!
Escrito por Jovane Nikolic – ator, diretor e dramaturgo.

4 Respostas a “Xadrez: um Manifesto à Arte”

  • Ibernon luiz da silva filho

    Magnífico! Parabéns!!!

  • Rafael Leitão

    Obrigado por acompanhar o blog, Ibernon. Parabéns ao Jovane, que escreveu um belo texto.

  • Frederico Simões Soares

    Bom texto realmente traz uma carga de valor artístico muito grande para aqueles que fazem do xadrez uma inspiração seja como esporte amador, profissional e também um lazer educativo. Quem lê e gosta do xadrez, se encontra nessas entrelinhas que transpiram o espírito da arte das 64 casas e se torna uma extensão de sua alma. Parabéns pelo texto brilhante!!

  • Pablo Alejandro Acosta

    Muy bueno maestro, usted sabe de verdad!

Deixe seu comentário