As Aventuras do GM Rafael Leitão na Islândia

O Grande Mestre Rafael Leitão participou do Festival de Xadrez da Islândia, realizado entre os dias 19 e 29 de novembro, na cidade de Selfoss.

Em solo islandês, Leitão disputou um torneio fechado para campeões mundiais de categorias e um torneio na modalidade Fischer Random. 

 

Torneio de xadrez na Islândia

GM Hedinn Steingrimsson x GM Rafael Leitão

 

Rafael Leitão Campeão de Fischer Random

Rafael conquistou o título do Fischer Random com 7,5 pontos em nove rodadas. O GM russo Mikhail Antipov terminou com a mesma pontuação, mas ficou atrás nos critérios de desempate.

Ahmed Adly, grande mestre do Egito, foi o terceiro de um total de 29 jogadores. O torneio de Fischer Random distribuiu aproximadamente R$14,5 mil em prêmios. 

 

Fischer Random Islândia

GM Rafael Leitão se adaptou muito bem ao Fischer Random

 

Popularidade da Modalidade Fischer Random

O Fischer Random ganha popularidade no mundo. Apresentado por Bobby Fischer em 1996, tem por característica principal o sorteio da posição inicial das peças.

A modalidade tenta estimular a criatividade dos jogadores desde o primeiro lance. Em 2019 a FIDE realizou o primeiro Campeonato Mundial Oficial de Fischer Random. Wesley So derrotou Magnus Carlsen na final. 

 

Lista de Campeões Mundiais de Fischer Random

Confira a lista de Campeões Mundiais de Fischer Random. Note que entre 2009 e 2018 a modalidade ficou “esquecida”. 

 

  • Não oficiais 

2001 – Peter Leko (Hungria) 

2002 a 2005 – Peter Svidler (Rússia)

2006 e 2007 – Levon Aronian (Armênia)

2008 e 2009 – Hikaru Nakamura (Estados Unidos)

2018 – Magnus Carlsen (Noruega)

 

  • Oficiais 

2019 – Wesley So (Estados Unidos)

 

Torneio Para Campeões Mundiais de Categorias

Essa interessante competição foi uma forma de homenagear os campeões mundiais de categorias, incluindo três enxadristas islandeses.

Helgi Ass Gretarsson (2415), campeão mundial juvenil em 1994;

Hedinn Steingrimsson  (2549), campeão mundial sub-12 em 1987;

Hannes Stefansson  (2546), campeão mundial sub-16 em 1987.

O GM Rafael Leitão participou do torneio por ser o campeão mundial sub-12 de 1991 e o campeão mundial sub-18 de 1996.

 

Fatos Sobre o Torneio

O torneio teve algumas outras curiosidades, por exemplo:

  • os jogadores não poderiam oferecer empate antes do lance 20;
  • aos 17 anos, o MI russo Semyon Lomasov (2553) foi o participante mais jovem – ele venceu o mundial sub-14 em 2016.
  • a premiação total do torneio dos campeões mundiais de categorias foi de 11,2 mil euros, cerca de R$51 mil.

 

Cerimônia de Abertura Xadrez na Islândia

Rafael no sorteio antes do início da competição

 

Resultado Final

O Grande Mestre egípcio Ahmed Adly e o russo Mikhail Antipov compartilharam a primeira colocação com seis pontos em nove rodadas.

O GM Rafael Leitão dividiu a sétima posição com quatro pontos: uma vitória, seis empates e duas derrotas.

 

Cerimônia de encerramento na Islândia

Participantes do torneio para campeões mundiais de categorias

 

Xadrez na Islândia

Com uma população de 360 mil pessoas, a Islândia tem 14 Grandes Mestres na história.

A capital, Reykjavík, sediou o Campeonato Mundial de 1972, o famoso match do século entre Bobby Fischer x Boris Spassky.

O país participa das Olimpíadas de Xadrez desde a década de 1930. Em três edições a Islândia ficou entre os dez primeiros colocados: quinta colocação em 1986, oitavo lugar em 1990 e sexto lugar em 1992.

O país tem cinco medalhas individuais: três bronzes, uma prata e um ouro com Fridrik Olafsson, na edição de 1962.

 

Mensagem do GM Rafael Leitão

“Visitar a Islândia foi uma experiência única. O país reverencia o xadrez e tem uma longa tradição, desde a época de Fridrik Olafsson. Durante as décadas de 80 e 90 a equipe olímpica Islandesa era uma potência, com Hjartasson, Petursson, Arnason e Helgi Olafsson (dentre outros).

E, claro, como não lembrar do match do século, disputado em 1972 entre Spassky e Fischer, que até hoje deixa lembranças no país. Conversei com muitas pessoas que assistiram esse histórico match e é possível ver os seus olhos brilharem com as lembranças do que aconteceu.

Eu visitei o museu Fischer e também o seu túmulo. A Islândia foi o país que abrigou Bobby quando ele era “perseguido” pelas autoridades dos Estados Unidos, por ter jogado um match na Iugoslávia em 1992, desrespeitando as sanções diplomáticas. E, pior ainda, cuspido na carta de George Bush (pai), ao vivo, durante uma conferência de imprensa.

A Islândia deu cidadania e um passaporte em tempo recorde para Fischer (poucos dias) e uma comissão foi “resgatá-lo” no Japão, onde estava preso.

Quando as autoridades americanas exigiram que Fischer fosse deportado, os islandeses responderam: não deportamos nossos cidadãos. E apresentaram o passaporte de Bobby, para espanto geral.

Curiosamente, pouco tempo depois os Estados Unidos retiraram suas tropas da base militar que mantinham na Islândia…

Vale lembrar, também, que a Islândia é o país com o maior número de grandes mestres per capita. O mesmo número de grandes mestres do Brasil, mas com uma população de apenas 360 mil.

Por toda sua história com o xadrez, pelo que eles fizeram por Bobby Fischer, pelo torneio que prestigiou o título de campeão mundial de categoria, pelas excelentes condições proporcionadas aos participantes e, claro, por suas lindas e inóspitas paisagens, incluindo vulcões, praias e cachoeiras, por tudo isso afirmo que a viagem para a Islândia foi uma das mais marcantes da minha carreira e pretendo voltar outras vezes!”

 

 Gostou do artigo? Então compartilhe nas redes sociais.

Texto escrito pelo MF William Cruz

 

Resultados Completos

Imagens: Site Oficial

2 Respostas a “As Aventuras do GM Rafael Leitão na Islândia”

  • FSchimidt

    parabéns ao GM Rafael por atravessar o mundo e representar a bandeira do nosso Brasil! que venham mais vitórias!

    • Rafael Leitão

      Obrigado!

Deixe seu comentário