Por que a Candidatura da Argentina para Sediar o Mundial de 2020 é Importante para o Brasil

Argentina e Emirados Árabes Unidos se candidataram para sediar o Campeonato Mundial de Xadrez 2020. Trata-se de um match entre o atual campeão, Magnus Carlsen, e o desafiante que será conhecido no Torneio de Candidatos, a ser realizado entre março e abril de 2020, na Rússia.

Campeonato Mundial de 2018 foi realizado em Londres

 

O Match da Tecnologia

Em nota oficial, o presidente da FADA (Federación Argentina de Ajedrez), Mario Petrucci, promete realizar o “Match da Tecnologia”, com transmissão para todo o mundo por streaming, 3D e tecnologia de ponta.  As partidas serão transmitidas com comentários de Grandes Mestres até em chinês e hindi. A expectativa é a de que dois milhões de pessoas assistam as transmissões pela internet. “Será o evento esportivo de maior audiência em 2020”, afirmou Petrucci. Possivelmente, empolgado com a declaração, ele tenha esquecido dos Jogos Olímpicos de Tóquio, evento que reúne bilhões de pessoas em audiência. 

O presidente da FADA, Mario Petrucci

 

Impactos ao Brasil

Além de um grande número de brasileiros que devem ir até a Argentina presenciar o possível match pelo Campeonato Mundial, os hermanos prometem realizar diversos eventos paralelos que podem movimentar o xadrez também nos países vizinhos. 

Destaque para a Primeira Olimpíada do Mercosul e Aliança do Pacífico, com a participação das equipes olímpicas da Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, Venezuela, México, Peru e Chile. Também está na proposta a realização de um Torneio Aberto Internacional, de um Torneio Internacional da Mulher e um Congresso de Xadrez Educativo. Esses eventos, somados ao Campeonato Mundial, podem criar um boom enxadrístico em toda a América do Sul. 

 

Tradição

De todo modo, a Argentina tem motivos para acreditar na própria candidatura. O país tem tradição no xadrez e já sediou os torneios mais importantes do mundo, como por exemplo, o match pelo Campeonato Mundial de 1927, entre Alexander Alekhine e José Raúl Capablanca. O Mundial da FIDE de 2005, que consagrou Veselin Topalov, também foi em solo argentino, além das Olimpíadas de Xadrez de 1939 e 1978 e da Final do Torneio de Candidatos de 1971, quando Bobby Fischer derrotou Tigran Petrosian e tornou-se o desafiante de Boris Spassky.

Alekhine e Capablanca no Clube Argentino, em 1927

 

Simultânea Gigante no Obelisco 

O match pelo Campeonato Mundial acontecerá de 31 de outubro a 22 de novembro de 2020. No primeiro dia, a ideia é fazer uma simultânea gigante, com dois mil alunos de todas as províncias, em pleno Obelisco, o coração de Buenos Aires. Na ocasião, essas crianças também devem disputar as Olimpíadas Escolares das Províncias da Argentina. 

Região do Obelisco, em Buenos Aires, pode ser ocupada por tabuleiros e peças

 

Recursos

Os argentinos garantiram uma premiação total de 2,2 milhões de euros, já livres de impostos. “Apoiamos este evento e esperamos que seja um dos vários que se realizem pela parceria FIDE – FADA. Estamos na espera que Buenos Aires volte a fazer história”, enfatizou Mario Petrucci.

 

Emirados Árabes, o Rival

A força econômica oriunda do petróleo faz deste país um rival duro de ser batido. Os árabes querem unir o Mundial de Xadrez com a Expo 2020, um dos mais importantes eventos internacionais que reúne referências em diversos setores da sociedade. A ideia também agrada a FIDE.

A Argentina vencerá essa disputa? Deixe sua opinião nos comentários.

Gostou do artigo? Então compartilhe nas redes sociais.

Texto escrito pelo MF William Cruz.

3 Respostas a “Por que a Candidatura da Argentina para Sediar o Mundial de 2020 é Importante para o Brasil”

  • Ivan

    Torcendo para a Argentina ser escolhida.

  • Mozart a Coelho

    Se o principal critério for dinheiro a Argentina não tem a mínima chance contra os Emirados Árabes.

  • Carlos Americano

    Como tudo no mundo do Xadrez gira em tôrno do dinheiro, dificilmente outro pais ganha dos Emirados Arabes.

Deixe seu comentário