Grandes Enxadristas: Lajos Portisch, o Botvinnik Húngaro

Grandes Enxadristas: Lajos Portisch, o Botvinnik Húngaro

A Hungria é um país com uma tradição imensa no xadrez. Não é à toa que a seleção do país ganhou as duas primeiras edições da Olimpíada (1927 e 1928). Uma década após o primeiro título, surgia uma nova lenda húngara…

 

Primeiros Passos

Lajos Portisch mostrou seu talento logo cedo. Aos 14 anos já era capaz de vencer Paul Keres em uma simultânea. Em 1958, aos 21, conquistou o título de Mestre Internacional. Com um senso posicional aguçado, foi comparado a Capablanca, Petrosian, mas levou o apelido de Botvinnik Húngaro, obviamente sem a anuência do lendário enxadrista. Finalmente em 1961, conquistou o título de Grande Mestre. Neste mesmo ano, venceu Mikhail Tal e Tigran Petrosian.

C:UsersUserDesktopportisch.jpg

Lajos Portisch

 

Torneio de Candidatos

Entre 1965 e 1988, Portisch disputou oito Torneios de Candidatos, uma consistência brilhante na elite. Chegou às semifinais em duas ocasiões: 1977 e 1980. Em 1977 venceu Bent Larsen por 6×3 e perdeu para Boris Spassky (8.5 x 6.5). Portisch deu o troco em Spassky no ciclo seguinte, o match foi 7×7, mas o húngaro se classificou por vencer mais partidas com as pretas. De todo modo, acabou derrotado por Robert Hubner (4.5 x 6.5).

Em cinco ocasiões caiu nas quartas de final:

1965 – 5.5 x 2.5 para Mikhail Tal

1969 – 5.5 x 4.5 a favor de Bent Larsen

1974 – 7 x 6 contra Tigran Petrosian

1983 – 6×3  para Viktor Korchnoi

1988 – 3.5 x 2.5 contra Jan Timman

Portisch também jogou o ciclo de 1985, disputado no sistema suíço. Na ocasião, o enxadrista terminou a 1,5 ponto da vaga para as semifinais.

C:UsersUserDesktopspassky x portiscjh.jpeg

Spassky e Portisch jogaram dois matches pelo Torneio de Candidatos

 

Treinamento Intensivo

Portisch também ficou conhecido por sua lendária capacidade de estudo. Dizia-se que o enxadrista treinava de 6 a 7 diárias e pensava em xadrez até mesmo durante os períodos de férias.

Esse esforço lhe trouxe inúmeros resultados positivos em torneios: foi 9 vezes campeão nacional, é um dos maiores vencedores do tradicional torneio de Wijk aan Zee com quatro títulos (1965,1972, 1975 e 1978), venceu Hastings em 1970, Las Palmas 1972, foi vice-campeão do torneio de Milão em 1975, perdendo o match final para o então campeão do mundo, Anatoly Karpov, por 3.5 x 2.5, além da importante vitória sobre Viktor Korchnoi ( 2.5 x 1.5) no “Match do Século”.

 

Herói Olímpico

Entre 1952 e 1990, a União Soviética conquistou 18 das 20 Olimpíadas de Xadrez. Também poderia citar que entre 1992 e 2012, Rússia, Armênia e Ucrânia, países que faziam parte da extinta URSS, mantiveram o domínio da região na competição.

Ou seja, nesses 60 anos de hegemonia, apenas a Hungria de Portisch foi capaz de destronar os soviéticos (russos, armênios e ucranianos), visto que em Haifa 1976 os soviéticos não participaram.

A vitória húngara aconteceu em Buenos Aires, 1978. A equipe composta por Portisch, Ribli, Sax, Ardojan, Csom e Vadasz ficou um ponto na frente da URSS de  Spassky, Petrosian, Polugaevsky, Gulko, Romanishin e Vaganian. Portisch teve o melhor desempenho entre os seus companheiros de equipe nessa histórica competição.

 

Gostou do artigo? Então compartilhe nas redes sociais.

Texto escrito pelo MF William Ferreira da Cruz

Referências:

Garry Kasparov, Meus Grandes Predecessores – Volume 3

OlimpBase – www.olimpbase.org/

 

2 Respostas a “Grandes Enxadristas: Lajos Portisch, o Botvinnik Húngaro”

  • Reckoner

    Rafa, no título do texto está seu email, hehehe. De resto, grande artigo!

    • Rafael Leitão

      Haha obrigado por avisar!

Deixe seu comentário