Grandes Enxadristas: Lajos Portisch, o Botvinnik Húngaro

    Grandes Enxadristas: Lajos Portisch, o Botvinnik Húngaro

    A Hungria é um país com uma tradição imensa no xadrez. Não é à toa que a seleção do país ganhou as duas primeiras edições da Olimpíada (1927 e 1928). Uma década após o primeiro título, surgia uma nova lenda húngara…

     

    Está sem tempo para ler o artigo? Escute a versão em áudio!

    Primeiros Passos

    Lajos Portisch mostrou seu talento logo cedo. Aos 14 anos já era capaz de vencer Paul Keres em uma simultânea. Em 1958, aos 21, conquistou o título de Mestre Internacional. Com um senso posicional aguçado, foi comparado a Capablanca, Petrosian, mas levou o apelido de Botvinnik Húngaro, obviamente sem a anuência do lendário enxadrista. Finalmente em 1961, conquistou o título de Grande Mestre. Neste mesmo ano, venceu Mikhail Tal e Tigran Petrosian.

    C:UsersUserDesktopportisch.jpg

    Lajos Portisch

     

    Torneio de Candidatos

    Entre 1965 e 1988, Portisch disputou oito Torneios de Candidatos, uma consistência brilhante na elite. Chegou às semifinais em duas ocasiões: 1977 e 1980. Em 1977 venceu Bent Larsen por 6×3 e perdeu para Boris Spassky (8.5 x 6.5). Portisch deu o troco em Spassky no ciclo seguinte, o match foi 7×7, mas o húngaro se classificou por vencer mais partidas com as pretas. De todo modo, acabou derrotado por Robert Hubner (4.5 x 6.5).

    Em cinco ocasiões caiu nas quartas de final:

    1965 – 5.5 x 2.5 para Mikhail Tal

    1969 – 5.5 x 4.5 a favor de Bent Larsen

    1974 – 7 x 6 contra Tigran Petrosian

    1983 – 6×3  para Viktor Korchnoi

    1988 – 3.5 x 2.5 contra Jan Timman

    Portisch também jogou o ciclo de 1985, disputado no sistema suíço. Na ocasião, o enxadrista terminou a 1,5 ponto da vaga para as semifinais.

    C:UsersUserDesktopspassky x portiscjh.jpeg

    Spassky e Portisch jogaram dois matches pelo Torneio de Candidatos

     

    Treinamento Intensivo

    Portisch também ficou conhecido por sua lendária capacidade de estudo. Dizia-se que o enxadrista treinava de 6 a 7 diárias e pensava em xadrez até mesmo durante os períodos de férias.

    Esse esforço lhe trouxe inúmeros resultados positivos em torneios: foi 9 vezes campeão nacional, é um dos maiores vencedores do tradicional torneio de Wijk aan Zee com quatro títulos (1965,1972, 1975 e 1978), venceu Hastings em 1970, Las Palmas 1972, foi vice-campeão do torneio de Milão em 1975, perdendo o match final para o então campeão do mundo, Anatoly Karpov, por 3.5 x 2.5, além da importante vitória sobre Viktor Korchnoi ( 2.5 x 1.5) no “Match do Século”.

     

    Herói Olímpico

    Entre 1952 e 1990, a União Soviética conquistou 18 das 20 Olimpíadas de Xadrez. Também poderia citar que entre 1992 e 2012, Rússia, Armênia e Ucrânia, países que faziam parte da extinta URSS, mantiveram o domínio da região na competição.

    Ou seja, nesses 60 anos de hegemonia, apenas a Hungria de Portisch foi capaz de destronar os soviéticos (russos, armênios e ucranianos), visto que em Haifa 1976 os soviéticos não participaram.

    A vitória húngara aconteceu em Buenos Aires, 1978. A equipe composta por Portisch, Ribli, Sax, Ardojan, Csom e Vadasz ficou um ponto na frente da URSS de  Spassky, Petrosian, Polugaevsky, Gulko, Romanishin e Vaganian. Portisch teve o melhor desempenho entre os seus companheiros de equipe nessa histórica competição.

     

    Gostou do artigo? Então compartilhe nas redes sociais.

    Texto escrito pelo MF William Ferreira da Cruz

    Referências:

    Garry Kasparov, Meus Grandes Predecessores – Volume 3

    OlimpBase – www.olimpbase.org/

     

    2 Respostas a “Grandes Enxadristas: Lajos Portisch, o Botvinnik Húngaro”

    • Reckoner

      Rafa, no título do texto está seu email, hehehe. De resto, grande artigo!

      • Rafael Leitão

        Haha obrigado por avisar!

    Deixe seu comentário

      [class^="wpforms-"]
      [class^="wpforms-"]