Ju Wenjun Mantém o Título de Campeã Mundial

Ju Wenjun Mantém o Título de Campeã Mundial

Ju Wenjun Mantém o Título de Campeã Mundial

O Campeonato Mundial Feminino 2018 aconteceu em Khanty-Mansiysk, na Rússia, entre os dias 02 e 23 de novembro. A competição foi disputada por 64 jogadoras em sistema eliminatório. A premiação total foi de 450 mil dólares e a chinesa Ju Wenjun (2561) conseguiu defender o título em uma final eletrizante contra a russa Kateryna Lagno (2556).

C:UsersUserDesktopju wenjun.jpg

 

A Grande Final

Para chegar a final, Ju Wenjun derrotou a australiana Kathryn Hardegen (1832), 2×0 na primeira fase. Depois, 1,5 x 0,5 em Irina Krush (2417), dos Estados Unidos. Nas oitavas de final, 1,5 x 0,5 na compatriota Zhai Mo (2351) e nas quartas, 1,5 x 0,5 em Gulrukhbegim Tokhirjonova (2385), do Uzbequistão. Na semifinal, mais uma vez 1,5 x 0,5, agora contra a russa Alexandra Kosteniuk (2551). A chinesa teve uma grande campanha até a final, sem precisar levar nenhum match para os desempates.

C:UsersUserDesktoplagno.jpg

Ju Wenjun venceu Kateryna Lagno por 5×3 e manteve o título

 

A final foi emocionante. O duelo seria decidido em quatro partidas clássicas e Kateryna Lagno esteve há um empate do título. Mesmo com as peças negras, Ju Wenjun teve a força necessária para vencer e empatar o match em 2×2. Assim como o Campeonato Mundial Absoluto, o Mundial Feminino também foi definido nos desempates em partidas rápidas.

As duas primeiras partidas dos desempates terminaram em empate. Ju Wenjun venceu a terceira partida em uma posição igualada. Lagno não conseguiu controlar os nervos e também perdeu o quarto jogo depois de entregar a dama.

 

Dois Mundiais Femininos em 2018

Ju Wenjun já havia conquistado o Campeonato Mundial Feminino em maio, após derrotar a compatriota Tan Zhongyi (2522), em um match de 10 partidas. O placar final foi de 5,5 x 4,5. Tan Zhongyi conquistou o Mundial Feminino em 2017, após vencer um torneio eliminatório. Ju Wenjun teve o direito de lutar pelo título porque venceu o Grand Prix Feminino da FIDE 2016-2017.

 

O Fim da Bagunça

A fórmula atual do Mundial Feminino é confusa e não atrai, por exemplo, a número 1 no ranking da FIDE, a chinesa Hou Yifan. No entanto, o novo presidente eleito da FIDE, o russo Arkady Dvorkovich, promete mudanças no regulamento da competição.

De acordo com Dvorkovich, o ciclo feminino terá um Torneio de Candidatos e a vencedora enfrentará Ju Wenjun em um match pela coroa, assim como acontece no absoluto. A finalista da edição de 2018, Kateryna Lagno, e as semifinalistas Alexandra Kosteniuk e Mariya Muzychuk já estão classificadas para o Torneio de Candidatos. As outras vagas devem ser definidas pelo Gran Prix e pela Copa do Mundo.

 

C:UsersUserDesktopRUSSIACHESS.jpg

Espera-se que o novo presidente da FIDE, Arkady Dvorkovich, torne o Mundial Feminino mais atrativo

 

Sucessão de Equívocos

O mundo do xadrez parou no mês de novembro para assistir o match entre Magnus Carlsen e Fabiano Caruana. Por essa óbvia razão, o Mundial Feminino foi seriamente ofuscado. Para dizer o mínimo, faltou bom senso no momento de decidir o calendário.

Também é curiosa a diferença de premiação entre o xadrez masculino e o feminino. Ju Wenjun recebeu 60 mil dólares por vencer o Mundial Feminino, enquanto Magnus Carlsen faturou 550 mil euros por ter vencido Fabiano Caruana, o qual levou cerca de 450 mil euros.

 

Por que a diferença de prêmios entre o Mundial Feminino e o Absoluto é tão grande? Deixe sua opinião nos comentários.

 

Gostou do artigo? Então compartilhe nas redes sociais.

Imagens: Site Oficial

Comments ( 5 )

  • Luiz Gustavo Serpa

    Com todo o respeito ao xadrez feminino, a diferença entre as premiações é compreensível. As duas jogadoras que chegaram a final tem uma força de rating equivalente a da final do brasileiro entre Fier e Krikor. Quem financiaria um milhão de dólares como bolsa de prêmio para a final do brasileiro? Quem financiaria um match entre dois jogadores com força de 2560 por um milhão de dólares?

    Acredito que as mulheres tem as mesmas condições que os homens de jogar xadrez, não sendo um esporte apenas similar, como no caso do tênis ou do vôlei, para ficar nos mais populares dos esportes femininos. Por isso, para conseguir melhores bolsas, as mulheres precisariam ter um nível mais forte de jogo. Se a disputa pelo título fosse entre a You Hifan e a Judith Polgar, as duas no melhor de suas formas, a bolsa seria bem melhor. Se não for pela melhoria gradual do nível de jogo, fica sem sentido igualar as bolsas de premiação. Afinal, não é por machismo que não existem melhores jogadoras, como acontecia no passado em que profissionais do xadrez desprezavam e se recusavam a jogar com as mulheres. O que parece faltar é interesse feminino equivalente ao masculino em jogar xadrez. Com menos jogadoras, menor chance de atingir o nível do masculino. Por sinal, na minha opinião de amador, nem deveria existir essa diferenciação, homens e mulheres deveriam sempre jogar juntos de modo indiferenciado, sendo as categorias apenas aquelas com base em idade ou força de rating.

    Diante disto tudo, acredito que o tema poderia ser melhor desenvolvido aqui na Academia por quem entenda muito mais do que eu. Fica a sugestão.

    Parabéns pelo trabalho. Abraço

    Luiz Gustavo

    • Ivan Tadeu Couto Rojas

      Sim, meu caro Gustavo, eu concordo plenamente com vc.
      Como clínico que sou, lhe posso lhe dizer que há sim uma forte diferença entre a capacidade de jogar xadrez ente homens e mulheres.
      Isso por cauda das diferenças no uso do hemisférios cerebrais.
      As mulheres usam mais o hemisfério direito do cérebro, mais ligado às emoções.
      Os homens usam mais os hemisfério esquerdo mais ligado aos raciocínios. Não se trata de machismo mais de experiências científicas aceito por todos os cientistas da área.
      Tenha um ótimo fim de semana.
      Att.
      Prof. Ivan Rojas – PUC-SP

  • Bruno Silva

    Ao meu ver e uma questão de procura e oferta. Muita procura, mais caro (mais premiações), menos procura, mais barato (menos premiações). Não tem sentindo pagar o mesmo valor nas duas categorias sendo que uma delas daria um prejuízo enorme se a premiação fosse pago iguais.

    • Dorli

      Concordo plenamente!
      Tudo que tem valor monetario passa por procura oferta, vide outros esportes, acontece igual.
      Não é uma questão de melhor ou pior, mas interesse do publico, isso que define os valores.
      Um bom exemplo é o caso do Voleibol onde o feminino é bem valorizado.
      Não porque elas jogam melhor, mas porque os jogos delas são muito bons de assistir, com isso vem o interesse e a valorização.

  • José Carvalho

    Carlsen com o nome estabilizado para o mercado de patrocínio por ter se tornado uma figura pública notável, campeão mundial, por mais de uma vez, assegura e chama a atenção de patrocinadores e da mídia. Judith Polgar nos áureos tempos também atrairia a mídia e possíveis patrocinadores… Mas de forma natural, a medida que as jogadoras se tornam mais fortes, passam à disputa pelo absoluto. Nesse contexto, observamos a FIDE metendo os pés pelas mãos, colocando ambos os mundiais no mesmo mês! Uma tremenda “capivarada”! Mas é insubstituível o charme do mundial feminino, conforme muito bem publicado pela Academia, inclusive com fotos das jogadoras.

Post a Reply