A Importância de Dominar os Finais Teóricos

Carlos tem um minuto no relógio analógico e o seu adversário – um senhor já sem cabelo, magro, de 1,60 metro de altura, que deixou sua bengala ao lado da mesa e guardou a dentadura na mochila antes de iniciar a partida – possui quase o mesmo tempo. No relógio analógico é sempre difícil precisar os segundos e Carlos deve tomar uma decisão. Ele visualizou uma variante simples de empate forçado no final de rei e peões, porém, existe outra opção e ele está com dificuldades para calcular os tempos da corrida de peões para ver quem promove primeiro.

 

Está sem tempo para ler o artigo? Escute a versão em áudio!

 

O público se acumula ao redor do tabuleiro. Os segundos passam no relógio e Carlos reflete: “se eu promover primeiro, ganho, contudo, mesmo que o peão dele chegue antes, o velho não vai conseguir manobrar suas peças, capturar o peão e me dar xeque-mate em menos de um minuto”. Carlos então, no impulso típico de sua juventude, rejeitou a variante de empate e jogou a linha obscura.

Depois disso seu adversário passou a jogar como o “Flash”, avançou os peões corretamente, promoveu uma dama, manobrou e deu xeque-mate em menos de um minuto. Carlos cumprimentou o senhor, levantou-se e saiu da mesa com as mãos trêmulas. “Como ele pode jogar tão rápido?”, questionou-se. 

Enquanto isso, a plateia continuava em volta do tabuleiro, parabenizando o vencedor por demonstrar tamanha precisão. 

        – Esse final eu estudei há alguns anos, está tudo explicado no livro do Dvoretsky. Deveria ser empate, mas ele quis forçar…, disse o senhor aos espectadores.

A Importância dos Finais Teóricos

 A estória acima é um exemplo da importância de conhecer bem os finais teóricos. É comum estar apurado de tempo nessa fase do jogo. Geralmente não há tempo para encontrar a melhor ideia e é preciso estar por dentro da teoria para jogar bem e rápido. 

Os enxadristas costumam priorizar o estudo da teoria de aberturas e deixam os finais teóricos um pouco de lado. Conhecer os finais teóricos é de extrema relevância para elevar o nível de jogo. A ausência de tais conhecimentos é um dos principais motivos pelo qual poucos jogadores atingem um alto nível de competitividade. 

Em alguns casos a derrota até parece inevitável, mas o enxadrista que domina os finais teóricos pode encontrar recursos e salvar a partida. Da mesma forma que em posições de aparente igualdade, o enxadrista consegue criar problemas ao rival até levar para um final vencedor. Em outras palavras, os finais teóricos tem uma importância decisiva no rating do enxadrista.

Finais Teóricos

Quer subir seu rating? Então domine os finais teóricos

 

Vale ressaltar que, apesar da relevância dos finais teóricos, os enxadristas não devem pensar que os finais são jogados apenas com “técnica”, sem a necessidade de calcular variantes. O cálculo também é decisivo nessa fase do jogo. Embora conhecer a teoria facilita muito, os finais de peões, por exemplo, são matemáticos e se o Carlos tivesse calculado com precisão, o que não era uma missão simples com um minuto no relógio, com certeza não teria perdido a partida. 

Não perca mais tempo e dedique boa parte do seu treinamento para o estudo dos finais teóricos. É questão de tempo para você começar a ter bons resultados. Mãos à obra!

 

Gostou do artigo? Então compartilhe nas redes sociais.

Texto escrito pelo MF William Ferreira da Cruz.

No comments

Deixe seu comentário