Grandes Enxadristas: A História de Svetozar Gligoric

Grandes Enxadristas: A História de Svetozar Gligoric

Grandes Enxadristas: A História de Svetozar Gligoric

Origem

Os mais jovens sequer devem ter ouvido falar da Iugoslávia, mas esse país foi muito importante para o desenvolvimento do xadrez no século passado. Localizado no sudeste da Europa, na região dos Balcãs, foi extinto em 1991 e acabou dividido em sete países: Sérvia, Croácia, Bósnia e Hezergovina, Eslovênia, Kosovo, Montenegro e Macedônia.

 

gligoric

 

O legado deixado pela Iugoslávia ao xadrez é vasto, não por acaso a Sérvia ainda é um dos países com mais Grandes Mestres no mundo. Foi na Iugoslávia que surgiram os Informadores e as Enciclopédias de Aberturas – classificadas pelo código de Rabar: A,B,C,D e E, materiais importantíssimos para o desenvolvimento de qualquer enxadrista na era pré-computadores.

Também foram organizados muitos torneios importantes na região. Por essa razão, segundo Garry Kasparov: “na segunda metade do século XX, a Iugoslávia se tornou uma autêntica Meca do Xadrez”.

Nesse contexto, o principal nome do xadrez iugoslavo é Svetozar Gligoric. Nascido em 1923, aprendeu xadrez aos 11 anos e foi um dos maiores enxadristas do mundo nas décadas de cinquenta e sessenta. Infelizmente, também foi prejudicado pela II Guerra Mundial (1939-1945), período em que lutou no exército do Marechal Tito contra o exército alemão.

gligoric

Che Guevara observa os lances de Gligoric

 

Carreira

Depois do período caótico, Gligoric fundou um Clube de Xadrez em Belgrado (hoje a capital da Sérvia) e organizou torneios regionais e nacionais. No torneio de Varsóvia (Polônia), em 1947, o iugoslavo mostrou sua força ao mundo ao vencer a competição com dois pontos de vantagem sobre Smyslov, Boleslavsky, Pachman e Sajtar.

 

Clique aqui e descubra 3 dicas para otimizar seu treino de xadrez!

 

Logo Svetozar Gligoric foi reconhecido como uma ameaça pelos dominantes soviéticos. Durante um tempo, autoridades esportivas da União Soviética enviavam representantes em eventos com a presença do iugoslavo, a fim de acompanhar sua evolução.

Em 1950, Gligoric – ainda como MI – liderou a equipe da Iugoslávia campeã da primeira Olimpíada de Xadrez no pós-guerra. O ouro olímpico daquele ano foi conquistado em casa, na cidade de Dubrovnik (hoje na Croácia). A União Soviética não participou do torneio.

No total, o enxadrista representou seu país em 15 Olimpíadas entre 1950 e 1982, geralmente no primeiro tabuleiro. Além do ouro mencionado, conquistou seis pratas e cinco bronzes com a seleção nacional. Ou seja, durante trinta anos, a Iugoslávia esteve na elite do xadrez mundial, perdendo – na maioria das ocasiões – apenas para a União Soviética.

 

gligoric

Reshevsky x Gligoric

 

Gligoric e o Campeonato Mundial

Por fim, em 1951, Svetozar Gligoric conquistou o título de Grande Mestre (GM). Na disputa pelo Campeonato Mundial de Xadrez, o enxadrista da Iugoslávia conseguiu se classificar para três Torneios de Candidatos. No famoso torneio de Zurique 53, o enxadrista não conseguiu uma boa atuação e terminou na 13ª colocação, entre os 15 fortíssimos participantes.

Em 1959, o Torneio de Candidatos foi realizado na Iugoslávia e, mais uma vez, contou com a presença de Gligoric. A classificação final ficou da seguinte forma: Mikhail Tal 20 pontos, Paul Keres 18.5, Tigran Petrosian 15.5, Vasily Smyslov 15, Svetozar Gligoric 12.5, Bobby Fischer 12.5, Friorik Ólafsson 10 e Pal Benko 8.

 

gligoric

Gligoric x Fischer

 

Só o fato de participar de um torneio como esse demonstra a grande força do referido jogador. No entanto, o quinto lugar de Gligoric foi assim resumido pela imprensa iugoslava da época: “um resultado que não condiz com seus importantes êxitos nos últimos anos”. Ou seja, existia a expectativa que Gligoric pudesse lutar pelo título mundial contra Mikhail Botvinnik.

Em 1968, Gligoric teve sua última chance no Torneio de Candidatos. Agora no formato eliminatório, o iugoslavo enfrentou Mikhail Tal já nas quartas de final. Gligoric estava bem e dominava o match por 3×2. Mas Tal virou e venceu o duelo por 5.5 x 3.5.

 

gligoric

Gligoric x Tal

 

Outros êxitos

Svetozar Gligoric ganhou o Campeonato da Iugoslávia em 11 ocasiões. Além de conquistar grandes resultados nos principais torneios da época, Gligoric venceu muitos dos grandes nomes da história do xadrez, como por exemplo: Fischer, Botvinnik, Petrosian, Smyslov, Tal, Keres, Korchnoi entre outros.

 

Legado

Gligoric também contribuiu para o desenvolvimento do jogo. Nesse ponto, as partidas do iugoslavo na Defesa Índia do Rei são clássicas e devem ser vistas por todos que queiram aprender essa abertura. Grande especialista da Índia do Rei, Kasparov também passou por esse momento: “Botvinnik me recomendou estudar a Defesa Índia do Rei a partir dos grandes intérpretes clássicos dessa abertura e Gligoric estava entre eles”, afirmou o ex – campeão mundial.

O legado de Gligoric também ultrapassa o tabuleiro em sua célebre frase, que acabou intitulando seu livro de partidas: “Eu jogo contra as peças”. O Grande Mestre refere-se ao jogo como uma luta cordial, nunca levando o confronto para o lado pessoal contra o oponente. No fatídico match com Tal, mesmo jogando em casa e com o público todo a favor, Gligoric “manteve a atmosfera do duelo amistosa e cordial, e a isso devo agradecê-lo”, recordou Tal.

Infelizmente, o cavalheirismo de Gligoric é incomum em muitos dos grandes confrontos de xadrez: Fischer x Spassky, Karpov x Korchnoi, Karpov x Kasparov, Kramnik x Topalov, entre outros. Por isso, seus ensinamentos sobre a conduta de um enxadrista serão sempre válidos.

 

gligoricLivro: “Eu jogo contra as peças”

 

Além de jornalista e organizador, Gligoric tornou-se árbitro internacional em 1972. Destaque para sua atuação nos matchs Kasparov x Korchnoi (1983) e no interminável duelo entre Kasparov x Karpov (1984). Faleceu em 2012, em Belgadro, aos 89 anos.

União Soviética e Iugoslávia dominaram o xadrez mundial durante algumas décadas no século passado. Quais são as três maiores potências enxadrísticas do século XXI? Deixe sua opinião nos comentários.

 

Gostou do artigo? Então compartilhe nas redes sociais.

 

Referências Bibliográficas:

Meus Grandes Predecessores – Volume III, Garry Kasparov.

No Comments

Post a Reply